Tarcísio de Freitas jura que nunca foi um "bolsonarista raiz". O governador eleito de São Paulo disse em entrevista à CNN Brasil que concorda com as "ideias econômicas" do governo de Jair Bolsonaro e defende bandeiras conservadoras, mas afirmou que não pretende "entrar em guerra ideológica e cultural".

A declaração passa longe de uma ruptura. O ex-ministro não nega ser um bolsonarista, mas escolhe um complemento para emplacar a ideia de que há uma divisão entre um grupo raiz e uma ala mais pragmática.

Com o malabarismo, Tarcísio busca um certo conforto. Ele tenta se diferenciar de personagens barulhentos, mas admite conviver com radicais e se beneficiar de suas ações —como fez durante a campanha e em seus 1.186 dias como ministro.

O governador eleito parece interessado em renovar essa lógica no Palácio dos Bandeirantes. Tarcísio decidiu dar verniz técnico às áreas ligadas à infraestrutura, entregou a economia a seguidores da cartilha de Paulo Guedes e concedeu espaço estratégico ao "bolsonarismo raiz".

Mais

A partilha atende aos interesses políticos do ex-ministro. Tarcísio levou para o próprio colo a operação de obras públicas, a área de transportes e serviços como a Sabesp. O plano é usar o governo para obter um rótulo de gestor.

Na economia, ele reproduz a linha liberal de Guedes para preservar o apoio de investidores e manter a coesão de um eleitorado de direita que, por 28 anos, viu no PSDB paulista a liderança dessa doutrina.

Já o "bolsonarismo raiz" terá espaço privilegiado na Segurança Pública. A pasta ficará com o deputado Guilherme Derrite, que foi apadrinhado por Eduardo Bolsonaro e já disse que bons policiais devem ter ao menos três mortes na carreira.

Tarcísio não se separou desse grupo. Ele montou o laboratório de um novo arranjo de direita —que busca uma marca de centro, mas mantém em cena o "bolsonarismo raiz". O governador eleito pode trilhar um caminho político próprio, mas ainda depende da força do ex-chefe.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - Tarcísio preserva 'bolsonarismo raiz' em arranjo de direita - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Tarcísio preserva 'bolsonarismo raiz' em arranjo de direita

12 0 0
08.12.2022

Tarcísio de Freitas jura que nunca foi um "bolsonarista raiz". O governador eleito de São Paulo disse em entrevista à CNN Brasil que concorda com as "ideias econômicas" do governo de Jair Bolsonaro e defende bandeiras conservadoras, mas afirmou que não pretende "entrar em guerra ideológica e cultural".

A declaração passa longe de uma ruptura. O ex-ministro não nega ser um bolsonarista, mas escolhe um complemento para emplacar a ideia de que há uma divisão entre um grupo raiz e uma ala mais pragmática.

Com o malabarismo, Tarcísio busca um certo conforto. Ele tenta se diferenciar de personagens barulhentos, mas admite conviver com radicais e se beneficiar de suas ações —como fez durante a campanha e em seus 1.186 dias como ministro.

O governador eleito parece interessado em renovar essa........

© UOL


Get it on Google Play