We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Judas Iscariotes reabilitado /premium

2 9 236
13.04.2019

Há pessoas que gostam de pôr os outros no inferno, mas eu prefiro levá-las para o céu porque, mais do que ministro da justiça de Deus, procuro ser agente da sua misericórdia. Por isso, nestas vésperas da Páscoa, proponho-me reabilitar Judas Iscariotes, o apóstolo traidor, que a opinião pública, mas não a Igreja, condenou às profundezas do inferno.

Judas é, talvez, a mais enigmática personagem da paixão e morte de Jesus Cristo. É sabido que o mestre tinha um grupo numeroso de discípulos porque, numa ocasião, enviou setenta e dois, em missão de evangelização (Lc 10, 1). Para além destes, seguiam-no algumas santas mulheres (Lc 8, 1-3) e os apóstolos (Mc 3, 13-19), que eram os seus mais imediatos colaboradores. Estes últimos eram doze, e viviam com Jesus em comunidade, ao jeito de uma família nómada. Nalguma ocasião, Cristo dirigiu-se a eles com especial ternura, chamando-lhes “filhinhos” (Jo 13, 33), mas talvez só João fosse adolescente. Tanto quanto era próxima a relação de Jesus com Judas, maior é também a gravidade da sua traição, que levou à condenação de Cristo à morte na cruz.

Sem justificar a traição de Judas, interessa compreender a sua actuação, por vezes analisada de forma pouco objectiva, porque feita apenas à luz dessa sua acção.

O Iscariotes foi escolhido directamente por Cristo, para ser seu apóstolo: “não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi a vós” (Jo 15, 16; 6, 70-71). Quer isto dizer que Jesus de Nazaré falhou na escolha deste discípulo, uma vez que foi o traidor?! De modo nenhum, porque a vocação cristã é um chamamento e não uma predestinação: os escolhidos não perdem a liberdade, muito embora se lhes garantam as graças necessárias para a realização da tarefa que lhes é pedida.

Diga-se, em abono de Judas, que ele não só foi chamado por Cristo, como correspondeu com generosidade a esse apelo, deixando tudo e seguindo o........

© Observador