O sentimento de fim de época tem que ser evitado a todo o custo. Há demasiado nervosismo e demasiada descrença. Há muito a fazer para não se resvalar de um tristonho último lugar do pódio para um catastrófico quintoº lugar. O aperto em que o F. C. Porto se colocou, entre culpa própria e a indisfarçável convicção de ser um alvo fácil para os nossos rivais e inimigos, deixa uma equipa em estado de nervos, contra tudo e contra todos, mas sobretudo contra si. Não é só uma questão de qualidade ou da sua ausência, quando se percebe que o estado de revolta está presente e se adensa a cada má decisão de um jogador ou da equipa de arbitragem. Agora que a pressão nos faz olhar para baixo e não para cima, que seja o cérebro e a frieza a comandar a equipa para o que sobra do que resta.

Deixemos o coração entregue à Taça de Portugal. Vencer a eliminatória com o V. Guimarães e garantir um lugar no Jamor é absolutamente fundamental para se ganhar um troféu e certificar a presença na Supertaça Cândido de Oliveira com um Sporting que já parece ter metido o campeonato ao bolso. Mas uma coisa é certa: nenhuma equipa poderá ganhar ou discutir a vitória em qualquer campo se a calamidade da falta de qualidade do jogo e do “jogo” de quem julga ao contrário do que vê continuar a ser este. O penálti não assinalado sobre Galeno, ainda o jogo estava a abrir, prova que é muito fácil para alguns fechar os olhos à evidência. Nenhuma equipa pode ser campeã quando é um alvo tão fácil. A réplica gestual de Fábio Veríssimo em relação a Pepe é mais um sinal de que contra o F. C. Porto tudo pode acontecer, com impunidade, sem que alguém se levante.

*Adepto do F. C. Porto

*O autor escreve segundo a antiga ortografia

QOSHE - Um alvo fácil - Miguel Guedes
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Um alvo fácil

8 0
09.04.2024

O sentimento de fim de época tem que ser evitado a todo o custo. Há demasiado nervosismo e demasiada descrença. Há muito a fazer para não se resvalar de um tristonho último lugar do pódio para um catastrófico quintoº lugar. O aperto em que o F. C. Porto se colocou, entre culpa própria e a indisfarçável convicção de ser um alvo fácil para os nossos rivais e inimigos, deixa uma equipa em estado de nervos, contra tudo e contra todos,........

© Jornal de Notícias


Get it on Google Play