Sem sorte grande mas com terminação, pode ter acabado meia época de intermitente indefinição no jogo colectivo que tem vindo a afectar a capacidade do F. C. Porto fazer aquilo que qualquer candidato ao título tem que assumir de forma permanente: marcar golos. O pecúlio de acerto na baliza adversária era e é magro mas cedo madrugou para uma mudança de paradigma frente ao Moreirense. A esta mudança não é alheia a alteração do sistema táctico vigente, altamente previsível, que não dava mostras de servir os jogadores de um plantel ainda refém da influência de Otávio. E assim renasce Pepê atrás das costas de Evanilson e na ausência de Taremi. E assim Francisco Conceição assume a liderança da ala e das rupturas em espaço curto. E assim Galeno estica o jogo com propósito de servir ao centro. E assim os laterais aparecem em zonas de finalização por saberem que há um duplo pivot a meio campo (Varela/Nico ou Eustaquio) que entrega segurança aos centrais. Longe de ser o sistema perfeito, é o sistema que mais nos serve e que melhor reflecte a forma dos jogadores com melhor rendimento.

Naquele que é o melhor momento colectivo desde o início da época, a questão que se coloca é a de saber se tudo no futebol é tão efémero que se desmorone num resultado negativo. Os números são, porém, indesmentíveis. Desde que Sérgio Conceição mudou o “chip” para o 4x2x3x1, o F. C. Porto marcou 11 golos e não sofreu nenhum, após três jogos contra um candidato ao título (Braga), contra a equipa revelação da Liga (Moreirense) e um Estoril com quem já havia perdido dois jogos sem apelo nem agravo. Razões para acreditar mas também para insistir nas certezas. Resolvidas as dúvidas sobre Francisco Conceição, David Carmo e Taremi, a equipa cresceu.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

QOSHE - Crescer após dúvidas - Miguel Guedes
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Crescer após dúvidas

20 0
26.01.2024

Sem sorte grande mas com terminação, pode ter acabado meia época de intermitente indefinição no jogo colectivo que tem vindo a afectar a capacidade do F. C. Porto fazer aquilo que qualquer candidato ao título tem que assumir de forma permanente: marcar golos. O pecúlio de acerto na baliza adversária era e é magro mas cedo madrugou para uma mudança de paradigma frente ao Moreirense. A esta mudança não é alheia a alteração do sistema táctico........

© Jornal de Notícias


Get it on Google Play