A derrota dos socialistas, em Março, foi justa e merecida. Há muito que o Governo perdia força e imaginação, projecto e eficácia. Ao que parece, saiu-se muito bem na questão financeira. E a evolução social, com diminuição da pobreza, também ficará a seu saldo favorável. Quanto a tudo o resto, andou pelo desastre. Pouca obra feita, com especial pesadelo nos transportes públicos e nas infra-estruturas. Sobraram a demagogia e a inconsistência salariais, sobretudo relativamente aos corpos de Estado. Com a corrupção e o mau funcionamento da Justiça, complacência sempre, cumplicidade por vezes. E sobretudo a mais desastrada incompetência e a falta de cuidado relativamente aos grandes serviços públicos, especialmente a saúde e a educação. Enfeitiçados pela lenda da sua superioridade moral e política, deslumbrados com projectos ditos de “modernidade” e convencidos de que sabem melhor do que os outros, os socialistas perderam de vista o que melhor podiam e deviam fazer, servir o povo! É nos grandes serviços públicos, na escola e no hospital, mas também no transporte e na habitação, que se prova e demonstra a qualidade social e a sensibilidade política de um Governo e de um partido. Os socialistas souberam, em seu tempo, derrotar os comunistas e os bloquistas, mas não conseguiram bater as direitas, nem o centro-direita.

QOSHE - Dos Idos de Março às Calendas de Abril - António Barreto
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Dos Idos de Março às Calendas de Abril

12 30
06.04.2024

A derrota dos socialistas, em Março, foi justa e merecida. Há muito que o Governo perdia força e imaginação, projecto e eficácia. Ao que parece, saiu-se muito bem na questão financeira. E a evolução social, com diminuição da pobreza, também ficará a seu saldo favorável. Quanto a tudo o resto, andou pelo desastre. Pouca obra........

© PÚBLICO


Get it on Google Play