Portugal enfrenta uma série de desafios, tais como o envelhecimento da população, a emigração, a pobreza e a desigualdade, as alterações climáticas, entre outros. Em 2024, o futuro governo tem a oportunidade de abordar estes desafios e melhorar o futuro do país.

Uma das prioridades do governo deve ser a de inverter o envelhecimento da população. Para isso, é necessário implementar medidas que incentivem a natalidade, tais como licenças de parentalidade mais alargadas, horários flexíveis a trabalhadores com filhos até ao início da idade escolar e apoios financeiros para famílias numerosas.

No entanto, também é importante investir em cuidados de saúde para idosos, para melhorar a sua qualidade de vida e, nesse sentido, investir na especialização de médicos em geriatria e na construção ou ampliação dos lares e centros de dia para permitir a libertação de camas hospitalares ocupadas com internamentos sociais.

Outro desafio importante é a emigração. Todos os anos, milhares de portugueses deixam o país à procura de melhores oportunidades económicas. Para reduzir a emigração, o governo deve criar condições para o crescimento económico e a criação de emprego, bem como melhorar a qualidade de vida em Portugal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assim, devemos incentivar a retenção de talento no país ao promover a cooperação e articulação entre universidades e tecido empresarial, bem como incentivar, através da redução de impostos, o emprego jovem.

A pobreza e a desigualdade são também problemas em crescimento. Para combater estes problemas, o governo precisa de continuar a aumentar o salário mínimo nacional e investir em políticas sociais para apoiar as famílias mais carenciadas, principalmente no que diz respeito ao acesso à habitação digna.

Nomeadamente, deve procurar estimular o aumento dos salários em articulação com a diminuição de impostos para as empresas, de acordo com os salários atribuídos, promover um aumento do desconto nas faturas de serviços essenciais como a eletricidade e a água para as famílias mais carenciadas e aumentar a construção e disponibilização de habitação a rendas acessíveis.

As alterações climáticas são um desafio global, mas que tem um impacto particular nas áreas litorais de Portugal. O governo deve adotar medidas para combater as alterações climáticas, designadamente a redução das emissões de gases de efeito estufa.

Para esse efeito, é importante estimular a utilização do transporte público em detrimento do veículo próprio podendo, por exemplo, alargar o passe gratuito a todos os estudantes, mas também a todos os trabalhadores, até aos 35 anos de idade.

Além destes desafios, o governo precisa, ainda, de investir em infraestruturas, cultura, desporto e segurança. Estes investimentos são essenciais para o desenvolvimento do país e para melhorar a qualidade de vida dos portugueses.

A título de exemplo, são necessárias medidas que procurem diminuir ainda mais as portagens nas autoestradas que dão acesso ao interior do país, contudo, também, começar a diminuir os preços das restantes portagens, uma vez que estas registam um aumento anual.

Em conclusão, Portugal é um país com uma série de desafios, mas também com extremo potencial. O novo governo tem a oportunidade de construir um futuro melhor para o país, mas para isso é necessário que implemente políticas acertadas e que conte com a participação, através do voto bem ponderado, de todos os portugueses.

Receba um alerta sempre que Diogo Fernandes Sousa publique um novo artigo.

QOSHE - Desafios para 2024 - Diogo Fernandes Sousa
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Desafios para 2024

41 0
05.01.2024

Portugal enfrenta uma série de desafios, tais como o envelhecimento da população, a emigração, a pobreza e a desigualdade, as alterações climáticas, entre outros. Em 2024, o futuro governo tem a oportunidade de abordar estes desafios e melhorar o futuro do país.

Uma das prioridades do governo deve ser a de inverter o envelhecimento da população. Para isso, é necessário implementar medidas que incentivem a natalidade, tais como licenças de parentalidade mais alargadas, horários flexíveis a trabalhadores com filhos até ao início da idade escolar e apoios financeiros para famílias numerosas.

No entanto, também é importante investir em cuidados de saúde para idosos, para melhorar a sua qualidade de vida e, nesse sentido, investir na especialização de médicos em geriatria e na construção ou ampliação dos lares e centros de dia para permitir a libertação de camas hospitalares........

© Observador


Get it on Google Play