Alexei Navalny sabia que podia morrer assim, deu-se à morte assim, todos sabiam que podia morrer assim, e, todavia, por mais inevitável que fosse, a sua morte no restaurado goulag russo surge-nos como coisa insuportável, um sentimento de impotência final de impedir o triunfo do mal sobre o bem. Lembramo-nos das imagens do seu absurdo regresso a Moscovo, voltando à vida depois de envenenado na Sibéria — “o paciente de Berlim”, como lhe chamava então Putin —, e perguntávamo-nos então e perguntamo-nos agora porquê, para quê? Lembramo-nos das imagens de Navalny logo abalroado por guardas ainda dentro do avião acabado de aterrar em Moscovo, despedindo-se da mulher desenhando um coração no ar e sabendo que provavelmente nunca mais iria poder apertá-la nos braços. Porquê, para quê voltar?

Artigo Exclusivo para subscritores

Subscreva já por apenas 1,54€ por semana.

QOSHE - Heróis e vilões - Miguel Sousa Tavares
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Heróis e vilões

16 0
23.02.2024

Alexei Navalny sabia que podia morrer assim, deu-se à morte assim, todos sabiam que podia morrer assim, e, todavia, por mais inevitável que fosse, a sua morte no restaurado goulag russo surge-nos como coisa insuportável, um........

© Expresso

Get it on Google Play