Esta é parte da newsletter da Thaís Oyama enviada ontem (25). Na newsletter completa, apenas para assinantes, a colunista conta por que vale a pena prestar atenção nos resultados das pesquisas eleitorais que passaram a sair desde ontem. O texto traz ainda a coluna "Em off", que fala da crença de parte do mercado financeiro numa "virada" de Jair Bolsonaro. Quer receber antes o pacote completo, com a coluna principal e mais informações, no seu e-mail, na semana que vem? Inscreva-se aqui.

Relacionadas

Qual a porcentagem de abstenção que pode causar uma virada de Bolsonaro?

Esquerda ajudou evangélicos a serem "mais antipetistas que qualquer madame"

Campanha de Bolsonaro teme "estrago" do caso Jefferson entre mulheres

********

O resultado da eleição pode estar nas pesquisas que saem a partir de agora

Vale a pena prestar redobrada atenção nas pesquisas eleitorais que começaram desde ontem, terça-feira.

Desde 2010, levantamentos eleitorais divulgados a cinco dias ou menos das eleições têm acertado os resultados do pleito praticamente na mosca.

Vejamos os números:

Eleição de 2010

Datafolha de 26 de outubro, terça-feira: Dilma Rousseff: 56% x José Serra: 44%

Ibope (atual Ipec) de 30 de outubro, sábado: Dilma Rousseff: 56% X José Serra: 44%

RESULTADO em 31 de outubro, domingo: Dilma Rousseff: 56,1% x José Serra: 44,0%

Eleição de 2014

Datafolha de 23 de outubro, quinta-feira: Dilma Rousseff: 53% x Aécio Neves: 47%

Ibope (atual Ipec) de 25 de outubro, sábado: Dilma Rousseff: 53% x Aécio Neves: 47%

RESULTADO em 26 de outubro 2014, domingo: Dilma Rousseff: 51,6% x Aécio Neves: 48,4%

Eleição de 2018

Ibope (atual Ipec) em 23 de outubro, terça-feira: Jair Bolsonaro: 57% x Fernando Haddad: 43%

Datafolha de 25 de outubro, quinta-feira: Jair Bolsonaro: 56% x Fernando Haddad: 44%

RESULTADO em 28 de outubro, domingo: Jair Bolsonaro: 55,1% x Fernando Haddad: 44,9%

Por que a precisão é maior no segundo turno

A precisão das pesquisas tende a aumentar no segundo turno por dois motivos, segundo o fundador do instituto Ideia e professor de estatística da Universidade George Washington, Maurício Moura.

O primeiro é que os institutos, de posse dos resultados do primeiro turno, têm um número muito maior de dados para se balizar.

O segundo motivo diz respeito ao amadurecimento do eleitor. "Como ele já passou pelo processo de decisão no primeiro turno, resta menos espaço para dúvidas e mudanças de última hora no segundo", afirma Moura.

No primeiro turno, a decisão de parte dos eleitores — não captada pelas pesquisas— de migrar no último momento para Bolsonaro foi o que causou a diferença entre os resultados dos levantamentos divulgados às vésperas do pleito e os números verificado das urnas, segundo os institutos.

Ontem, saiu pesquisa Ipec, que deu 54% dos votos válidos para Lula e 46% para Jair Bolsonaro.

Hoje, quarta-feira, a Quaest divulgou seu levantamento: 52,1% dos votos válidos para o petista e 47,9% para o presidente.

Quinta e sábado tem Datafolha.

****

LEIA MAIS NA NEWSLETTER

QOSHE - O resultado da eleição pode estar nas pesquisas que saem a partir de agora - Thaís Oyama
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

O resultado da eleição pode estar nas pesquisas que saem a partir de agora

6 22 8
26.10.2022

Esta é parte da newsletter da Thaís Oyama enviada ontem (25). Na newsletter completa, apenas para assinantes, a colunista conta por que vale a pena prestar atenção nos resultados das pesquisas eleitorais que passaram a sair desde ontem. O texto traz ainda a coluna "Em off", que fala da crença de parte do mercado financeiro numa "virada" de Jair Bolsonaro. Quer receber antes o pacote completo, com a coluna principal e mais informações, no seu e-mail, na semana que vem? Inscreva-se aqui.

Relacionadas

Qual a porcentagem de abstenção que pode causar uma virada de Bolsonaro?

Esquerda ajudou evangélicos a serem "mais antipetistas que qualquer madame"

Campanha de Bolsonaro teme "estrago" do caso........

© UOL


Get it on Google Play