Valdemar Costa Neto saiu da eleição com 99 deputados federais e uma batata quente na mão. O cacique do PL é agora dono da maior bancada da Câmara, mas tem na sua cota não mais que 44 parlamentares — os demais vieram na esteira da filiação de Jair Bolsonaro à sigla e incluem nomes de comprovado potencial incendiário como Carla Zambelli, Bia Kicis e Zé Trovão. O desafio do cacique será o de equilibrar-se entre os bolsonaristas radicais — preparados para uma oposição estridente ao presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva— e a índole governista do seu partido, o maior do centrão.

Ao menos por ora, o chefe do PL não pretende fazer qualquer movimento que posicione a sigla na trincheira oposta à do governo Lula —e deixou isso claro nesta semana ao se recusar a emitir uma nota oficial nesse sentido, conforme pretendia um grupo de bolsonaristas.

Relacionadas

Bolsonaro morde e assopra caminhoneiros e se lança "líder" da oposição

Pesquisa mostra: sim, "direita surgiu de verdade" no país

Dado que distanciar-se deles é uma impossibilidade, Valdemar decidiu manter por perto o chefe da tropa. A partir de janeiro, Bolsonaro integrará os quadros do PL, que bancará despesas como casa e advogados para o presidente derrotado.

O general Braga Netto também deve se juntar à lista de funcionários do PL. O militar, que foi candidato a vice na chapa do presidente, manifestou o desejo de "ajudar o partido" e "trabalhar junto com Bolsonaro". Valdemar deve atender o pedido.

O presidente do PL, que fechou acordo com Arthur Lira (PP) para apoiá-lo na tentativa de reeleição à presidência da Câmara em troca do apoio na disputa pela presidência no Senado, quer atrair a ex-ministra Teresa Cristina para a vaga. Hoje, a senadora eleita é filiada ao PP.

O acordo selado entre Valdemar e Lira inclui ainda a promessa de que, mesmo que o PP consiga formar federação com o União Brasil, continuará sendo do PL o título de maior bancada da Câmara, com as prerrogativas que isso confere ao partido, por exemplo, na reivindicação de posições para a Mesa da Câmara e o comando das principais comissões da Casa.

Valdemar sonha grande e está fechado com Lira. Assim, diante do paredão que se forma, o novo governo Lula terá duas opções: tentar furá-lo ou escorar-se nele. A resposta para a pergunta se o PT vai lançar um candidato forte para a presidência da Câmara ou se deixará o caminho livre para Lira será o melhor indicador dessa escolha.

QOSHE - O centrão se prepara para 'recepcionar' o governo Lula - Thaís Oyama
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

O centrão se prepara para 'recepcionar' o governo Lula

5 11 0
03.11.2022

Valdemar Costa Neto saiu da eleição com 99 deputados federais e uma batata quente na mão. O cacique do PL é agora dono da maior bancada da Câmara, mas tem na sua cota não mais que 44 parlamentares — os demais vieram na esteira da filiação de Jair Bolsonaro à sigla e incluem nomes de comprovado potencial incendiário como Carla Zambelli, Bia Kicis e Zé Trovão. O desafio do cacique será o de equilibrar-se entre os bolsonaristas radicais — preparados para uma oposição estridente ao presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva— e a índole governista do seu partido, o maior do centrão.

Ao menos por........

© UOL


Get it on Google Play