As cenas de Jair Bolsonaro (Pl) tentando enxugar as lágrimas diante dos três comandantes das Forças Armadas e uma plateia de oficiais generais mostram que a consternação do presidente derrotado vai além de uma eventual tentativa de projetar um personagem.

Desde o dia em que a maioria dos brasileiros escolheu substitui-lo por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro trancafiou-se no Palácio da Alvorada, de onde, mergulhado em silêncio público, urdiu bem mais que uma tentativa de virar a mesa.

Relacionadas

O presidente Jair Bolsonaro chora em cerimônia militar em Brasíia

Imagem: Reproduçao TV Brasil

Os aliados que estimularam os esperneios presidenciais — entre eles, os generais Braga Netto e Augusto Heleno, ex-ministros igualmente reprovados nas urnas, como Onyx Lorenzoni e Gilson Machado, e auxiliares do gabinete presidencial — começam a demonstrar menos entusiasmo pela "resistência".

Outros já jogaram a toalha há mais tempo, como o ainda ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, que, assim como o filho 02 do presidente, Eduardo Bolsonaro, preferiu esquecer as dores da derrota curtindo a vida no Qatar, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), que passou a dedicar-se à própria reeleição no instante seguinte ao anúncio da derrota de Bolsonaro.

Contra este último, o ex-capitão ainda tentou uma pueril vingança na semana passada ao usar da pouca tinta que ainda lhe resta na caneta para suspender a liberação das emendas de relator com que Lira contava para azeitar seu projeto de permanecer no comando da Câmara — coisa que, ao fim e ao cabo, conseguirá com ou sem o apoio do quase ex-presidente, até porque agora tem o eleito ao seu lado.

Na teoria clássica do luto, a fase da tristeza (que se segue às da negação, da raiva e da barganha) é a que precede a etapa em que o enlutado finalmente aceita a perda. As lágrimas que Bolsonaro, cada vez mais isolado, verteu hoje em plena terra de Marlboro podem ser o prenúncio dessa aceitação.

QOSHE - Choro de Bolsonaro na terra de Marlboro pode sugerir aceitação da derrota - Thaís Oyama
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Choro de Bolsonaro na terra de Marlboro pode sugerir aceitação da derrota

7 29 89
06.12.2022

As cenas de Jair Bolsonaro (Pl) tentando enxugar as lágrimas diante dos três comandantes das Forças Armadas e uma plateia de oficiais generais mostram que a consternação do presidente derrotado vai além de uma eventual tentativa de projetar um personagem.

Desde o dia em que a maioria dos brasileiros escolheu substitui-lo por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro trancafiou-se no Palácio da Alvorada, de onde, mergulhado em silêncio público, urdiu bem mais que........

© UOL


Get it on Google Play