Novichok: graças ao Kremlin atual, o mundo conhece este grupo de substâncias neurotóxicas que tem eficácia quase garantida na eliminação de opositores do regime. Falo de eficácia quase garantida porque, apesar de tudo, Alexei Navalni, o principal rosto da oposição a Vladimir Putin, conseguiu sobreviver depois de ser alvo de um atentado em 2020.

Eis a história do espantoso "Navalny", de Daniel Roher, disponível na HBO –e eu confesso que nunca assisti a um documentário assim.

Vemos Navalni, em pleno voo interno na Rússia, sentindo dores lancinantes e colapsando. O avião aterra de emergência. Navalni é levado para o hospital, mas a família e a sua equipe exigem tratamento no exterior. Navalni é transferido para a Alemanha. Sobrevive.

Se o documentário fosse apenas isso, já seria instrutivo e marcante: a vida é barata por aquelas bandas.

Mas o melhor, ou o pior, vem depois: recuperado, Navalni começa a investigar quem tentou matá-lo. Rapidamente encontra os nomes, os rostos, até os números de telefone dos seus algozes.

E é então que se dá o momento definidor deste filme: Navalni, simulando que é um alto funcionário do Kremlin, conversa com o cientista responsável pelo seu envenenamento.

O cientista não desconfia de nada e, com uma candura arrepiante, explica ao próprio Navalni como se deu o ataque, o veneno utilizado, a quantidade ministrada, a peça de roupa onde foi colocado —as cuecas—, até a cor das ditas cujas —azuis.

Mais

Navalni e a sua equipe não sabem como reagir. Nem nós, que assistimos a uma confissão dessas ao vivo. Em poucos minutos, a natureza surreal e criminosa da Rússia de hoje manifesta-se de forma banal e involuntariamente cômica.

O que permite formular, uma vez mais, a pergunta que não quer desaparecer: como foi possível ao Ocidente iludir-se com a "nova Rússia" de Putin quando havia tantos sinais de que os seus vícios remontavam aos tempos antigos? Uma cegueira imperdoável.

Depois dessa prova, e de a tornar pública, Navalni resolve regressar à Rússia. Sem ilusões: ele sabe que, desembarcando no país, a prisão é o seu destino. Mas também sabe que não regressar seria uma vitória para Putin.

Mais

Quando o vemos, despedindo-se dos filhos e embarcando com a mulher rumo ao seu funesto destino, percebemos de que é feita a coragem. É feita de sacrifício.

A nossa cultura gosta de endeusar falsos heróis –gente que, no conforto do sofá, imagina que está derrubando gigantes nas redes sociais. Ou, inversamente, mártires que "dizem as verdades" no Twitter e são "cancelados" por isso.

Se "Navalny" servir para moderar o narcisismo desses comediantes, já terá cumprido metade da sua missão. A outra metade é esperar que Navalni saia um dia das masmorras para viver, ou até liderar, num país que merecia outra sorte.​

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - 'Navalny' mostra natureza surreal e criminosa da Rússia de Vladimir Putin - João Pereira Coutinho
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

'Navalny' mostra natureza surreal e criminosa da Rússia de Vladimir Putin

4 11 1
04.06.2022

Novichok: graças ao Kremlin atual, o mundo conhece este grupo de substâncias neurotóxicas que tem eficácia quase garantida na eliminação de opositores do regime. Falo de eficácia quase garantida porque, apesar de tudo, Alexei Navalni, o principal rosto da oposição a Vladimir Putin, conseguiu sobreviver depois de ser alvo de um atentado em 2020.

Eis a história do espantoso "Navalny", de Daniel Roher, disponível na HBO –e eu confesso que nunca assisti a um documentário assim.

Vemos Navalni, em pleno voo interno na Rússia, sentindo dores lancinantes e colapsando. O avião aterra de emergência. Navalni é levado para o hospital, mas a família e a sua equipe exigem tratamento no exterior. Navalni é transferido para a Alemanha. Sobrevive.

Se o documentário fosse apenas isso, já seria instrutivo e marcante: a vida é barata por aquelas bandas.

Mas o melhor, ou o pior, vem depois: recuperado, Navalni começa a investigar quem tentou matá-lo. Rapidamente encontra os nomes, os rostos, até os números de........

© UOL


Get it on Google Play