O Tribunal Superior Eleitoral levou 36 dias para derrubar o vídeo da reunião com embaixadores em que Jair Bolsonaro repetiu mentiras sobre as urnas. O ministro Mauro Campbell apontou que o presidente "insiste em divulgar deliberadamente fatos inverídicos" e que a conduta pode configurar uma prática abusiva.

A decisão indica que o tribunal conhece muito bem os métodos de Bolsonaro, mas continua sem um plano eficaz para contê-lo. O presidente só "insiste em divulgar deliberadamente fatos inverídicos" porque percebeu que suas mentiras se espalham com mais velocidade do que a resposta de qualquer autoridade. Além disso, sentiu que as punições são pouco dolorosas.

Naquela reunião com embaixadores, Bolsonaro fez estrago em tempo real, mas as falsas suspeitas sobre o sistema de votação continuaram no ar por mais cinco semanas —incluindo acusações desmentidas exaustivamente pelo próprio TSE.

Na decisão, Campbell apontou que havia o "risco evidente de irreversibilidade do dano" à confiabilidade do processo eleitoral. Se esse prejuízo é mesmo irreversível, nenhuma autoridade pode se orgulhar de ter feito muita coisa para evitá-lo nesse caso.

O encontro de Bolsonaro com os embaixadores ocorreu no dia 18 de julho. No início de agosto, o YouTube tirou a gravação do ar, mas a transmissão continuou disponível nas redes sociais e até na TV Brasil, controlada pelo governo. O acesso aos vídeos ficou livre até que o TSE aceitasse um pedido de remoção que só foi feito pelo PDT na semana passada.

Nas eleições de 2018, a Justiça Eleitoral foi atropelada pelas fábricas de desinformação. Já depois do primeiro turno, a presidente do TSE, Rosa Weber, disse que a corte ainda estava "aprendendo a lidar com fake news".

Ao assumir o comando do tribunal, na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes prometeu resposta "célere, firme e implacável" a práticas abusivas ou fraudulentas. A Justiça Eleitoral tem poucas semanas para mostrar se aprendeu algo nos últimos quatro anos.

Mais

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - TSE ainda não encontrou arma eficaz contra desinformação - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

TSE ainda não encontrou arma eficaz contra desinformação

3 15 6
25.08.2022

O Tribunal Superior Eleitoral levou 36 dias para derrubar o vídeo da reunião com embaixadores em que Jair Bolsonaro repetiu mentiras sobre as urnas. O ministro Mauro Campbell apontou que o presidente "insiste em divulgar deliberadamente fatos inverídicos" e que a conduta pode configurar uma prática abusiva.

A decisão indica que o tribunal conhece muito bem os métodos de Bolsonaro, mas continua sem um plano eficaz para contê-lo. O presidente só "insiste em divulgar deliberadamente fatos inverídicos" porque percebeu que suas mentiras se espalham com mais velocidade do que a resposta de qualquer autoridade. Além disso, sentiu que as punições são pouco dolorosas.

Naquela reunião com embaixadores, Bolsonaro fez estrago em tempo real, mas as falsas suspeitas sobre o sistema de votação continuaram no ar por mais cinco semanas —incluindo........

© UOL


Get it on Google Play