Jair Bolsonaro foi até o púlpito em que estava Ciro Gomes pouco antes do debate entre os presidenciáveis, há duas semanas. Depois de um cumprimento, o presidente perguntou ao adversário: "Ô, Ciro, vai deixar o Lula voltar?". Aos risos, o pedetista retrucou: "Isso é problema seu. Renuncia que eu derroto ele".

O relato, feito por Ciro para explicar uma foto em que Bolsonaro cochicha em seu ouvido, mostra que o pedetista conhece o bloqueio matemático que o ameaça. Ainda que ele consiga melhorar seus números, a trajetória de recuperação de Bolsonaro torna reduzidas as chances de qualquer outro candidato enfrentar Lula num segundo turno.

Reviravoltas na reta final da campanha não são impossíveis, mas dificilmente ocorrem na dimensão que seria necessária para mexer na corrida deste ano. Nas últimas cinco eleições, nenhum candidato que ostentava apenas um dígito nas pesquisas a três semanas da votação conseguiu uma vaga no segundo turno.

A principal mudança foi registrada em 2014. Na segunda semana de setembro, Dilma Rousseff liderava a disputa (36%), seguida de perto por Marina Silva (33%), com Aécio Neves em terceiro lugar (15%). O tucano drenou os votos de Marina e foi ao segundo turno com 11 pontos de vantagem sobre a ex-senadora.

Mais

Em 2018, o próprio Ciro dividia a vice-liderança com Fernando Haddad a três semanas da votação. Ambos apareciam com 13%, atrás de Jair Bolsonaro (26%), mas o petista travou o crescimento de Ciro e foi ao segundo turno com o capitão. O pedetista chegou às urnas com 11%.

Nos dois casos, o cenário favoreceu aquele que era visto como principal desafiante de quem liderava as pesquisas. Como em 2018, pesa contra Ciro o fato de que ele não ocupa esse papel na cabeça do eleitor.

O pedetista ainda insiste nesse caminho ao manter Lula na mira. É provável que ele ajude a aumentar a rejeição ao ex-presidente, mas não consiga reduzir a diferença de 27 pontos para ultrapassar Bolsonaro e enfrentar o petista.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - Números de Lula e Bolsonaro impõem bloqueio matemático a Ciro Gomes - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Números de Lula e Bolsonaro impõem bloqueio matemático a Ciro Gomes

8 3 0
10.09.2022

Jair Bolsonaro foi até o púlpito em que estava Ciro Gomes pouco antes do debate entre os presidenciáveis, há duas semanas. Depois de um cumprimento, o presidente perguntou ao adversário: "Ô, Ciro, vai deixar o Lula voltar?". Aos risos, o pedetista retrucou: "Isso é problema seu. Renuncia que eu derroto ele".

O relato, feito por Ciro para explicar uma foto em que Bolsonaro cochicha em seu ouvido, mostra que o pedetista conhece o bloqueio matemático que o ameaça. Ainda que ele consiga melhorar seus números, a trajetória de recuperação de Bolsonaro torna reduzidas as chances de qualquer outro candidato enfrentar Lula num segundo turno.

Reviravoltas na reta final da campanha não são impossíveis, mas dificilmente ocorrem na dimensão que seria necessária para mexer na corrida deste ano. Nas últimas cinco eleições, nenhum........

© UOL


Get it on Google Play