Lula continua à frente nas pesquisas de intenção de voto, mas teve que fazer alguns movimentos para correr atrás de Jair Bolsonaro. Nos últimos dias, o petista testou um discurso para conter o domínio do presidente sobre o eleitorado evangélico, começou a erguer barreiras para limitar os dividendos eleitorais do Auxílio Brasil e ensaiou uma estratégia de reação na campanha digital.

Depois de meses em posição confortável, o ex-presidente sabe que não é mais possível jogar parado. Lula acumulou capital eleitoral, mas a máquina do governo, o arsenal retórico de Bolsonaro e a dinâmica das próximas semanas de campanhas devem fazer com que a disputa fique mais apertada até outubro.

O avanço acelerado do presidente entre os evangélicos foi um dos fatores que ligaram o alerta do PT. O partido acreditava que a economia cambaleante seria suficiente para manter parte dos fiéis afastada de Bolsonaro, mas passou a temer um aumento dos índices de rejeição a Lula nesse grupo do eleitorado.

Mais

Os petistas perceberam que teriam um prejuízo grande se deixassem Bolsonaro falando sozinho com esse público. A resposta, no entanto, pareceu fruto de improviso. O ex-presidente soltou a acusação de que o adversário é "possuído pelo demônio", enquanto sua campanha lançou o questionável slogan "Deus usa Lula".

Além de frear a recuperação de Bolsonaro entre os evangélicos, o petista também se mexeu para tentar manter o controle de seu principal bastião: o eleitorado de baixa renda. Ao lançar uma operação nas redes com o novo aliado André Janones, o ex-presidente espera frear o impulso que o Auxílio Brasil turbinado pode dar à campanha rival.

Os ataques pelo flanco conservador e o dinheiro despejado na arena eleitoral aumentaram o poder de Bolsonaro de influenciar o debate nesta etapa da disputa. Como líder nas pesquisas, Lula teria a oportunidade de ditar o tom da campanha, mas a máquina do presidente força o petista a gastar alguma energia para resistir a suas ofensivas.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - Máquina de Bolsonaro tira de Lula o privilégio de jogar parado - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Máquina de Bolsonaro tira de Lula o privilégio de jogar parado

3 8 1
19.08.2022

Lula continua à frente nas pesquisas de intenção de voto, mas teve que fazer alguns movimentos para correr atrás de Jair Bolsonaro. Nos últimos dias, o petista testou um discurso para conter o domínio do presidente sobre o eleitorado evangélico, começou a erguer barreiras para limitar os dividendos eleitorais do Auxílio Brasil e ensaiou uma estratégia de reação na campanha digital.

Depois de meses em posição confortável, o ex-presidente sabe que não é mais possível jogar parado. Lula acumulou capital eleitoral, mas a máquina do governo, o arsenal retórico de Bolsonaro e a dinâmica das próximas semanas de campanhas devem fazer com que a disputa fique mais apertada até outubro.

O avanço acelerado do presidente entre os evangélicos foi um dos fatores que ligaram o alerta do PT. O partido acreditava que a........

© UOL


Get it on Google Play