Uma pesquisa feita pelo Datafolha há 535 dias desenhava o que seria a corrida presidencial. Recém-saído da prisão, Lula mostrava que havia mantido o domínio da esquerda, aparecendo como favorito. Mesmo desgastado pela tragédia da pandemia, Jair Bolsonaro tinha mais que o triplo das intenções de voto de outros nomes de direita, fechando espaços para uma candidatura alternativa.

O embate entre um presidente e um ex-presidente populares, com plataformas e defeitos públicos, fez com que a eleição se desenrolasse como uma disputa de torcidas. Movido por uma sensação de pertencimento, o país se alinhou de maneira firme em cada lado da arquibancada e reduziu o potencial de mudanças bruscas provocadas pela campanha.

Nenhum fato dos últimos meses abalou de maneira significativa o vínculo de meio eleitorado com o líder de um governo encerrado há quase 12 anos. O próprio Lula explorou como arma de defesa a monotonia de ser um político conhecido, a fim de vender a ideia de que fará uma gestão sem sobressaltos.

Mais

A campanha adversária não desidratou o petista ao investir no velho fantasma da ameaça comunista ou fabricar novos, como a ideia de que o ex-presidente fechará igrejas. Os ataques foram úteis apenas para permitir que Bolsonaro vestisse o uniforme com que conseguiu a vitória na eleição de 2018.

O principal feito do presidente foi reaglutinar parte considerável do grupo que o empurrou para o poder há quatro anos. Bolsonaro soube instrumentalizar a rivalidade com o lado oposto para convencer muitos daqueles torcedores de que seria impossível mudar de time na hora de enfrentar o mesmo adversário.

A máquina do governo foi incapaz de produzir uma avalanche na eleição, ainda que tenha conseguido reduzir o peso da inflação e a memória do morticínio dos últimos anos. A fidelidade dos apoiadores foi suficiente para fazer Bolsonaro resistir a escândalos como o caso das meninas venezuelanas e o ataque armado protagonizado por um aliado.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - Eleição como disputa de torcidas acirrou embate entre Lula e Bolsonaro - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Eleição como disputa de torcidas acirrou embate entre Lula e Bolsonaro

6 5 0
29.10.2022

Uma pesquisa feita pelo Datafolha há 535 dias desenhava o que seria a corrida presidencial. Recém-saído da prisão, Lula mostrava que havia mantido o domínio da esquerda, aparecendo como favorito. Mesmo desgastado pela tragédia da pandemia, Jair Bolsonaro tinha mais que o triplo das intenções de voto de outros nomes de direita, fechando espaços para uma candidatura alternativa.

O embate entre um presidente e um ex-presidente populares, com plataformas e defeitos públicos, fez com que a eleição se desenrolasse como uma disputa de torcidas. Movido por uma sensação de pertencimento, o país se alinhou de maneira firme em cada lado da arquibancada e reduziu o potencial de mudanças bruscas provocadas pela campanha.

Nenhum fato dos últimos meses abalou de maneira significativa o vínculo de meio eleitorado com o........

© UOL


Get it on Google Play