Para que não restassem dúvidas, Jair Bolsonaro deixou clara a prioridade de sua campanha nos dias finais do segundo turno. Num comício em Minas Gerais, o presidente alertou os eleitores para o que seria "o assunto do momento" e sentenciou: "Sou vítima mais uma vez".

O comitê da reeleição trabalha há três dias para espalhar a ideia de que Bolsonaro é alvo de uma sabotagem na transmissão da propaganda de rádio. O plano vem sendo executado de forma meticulosa para lançar suspeitas a conta-gotas, tumultuar o ambiente eleitoral, desviar atenções e vitimizar o candidato.

O único fato irrefutável que a campanha de Bolsonaro apresentou até agora foi uma queixa: a de que emissoras de vários estados deixaram de veicular milhares de inserções do candidato durante a programação. Poderia ser verdade, mas comprovar essa afirmação não era necessário para que o presidente começasse a soltar o grito de fraude eleitoral.

A cronologia da operação prova que o objetivo é fabricar confusão na última semana da disputa. Primeiro, a campanha fez uma reclamação sem apresentar as evidências do suposto desequilíbrio. Depois de 24 horas, apresentou uma contagem parcial. No terceiro dia, Bolsonaro levou o tema para o palanque e falou em manipulação eleitoral.

Verificações independentes apontaram que números apresentados pela equipe do presidente não batem com gravações da própria campanha. Além disso, algumas rádios disseram que deixaram de veicular a propaganda de Bolsonaro porque o comitê não enviou os áudios. Mesmo que as inserções não tenham sido veiculadas, a responsabilidade pela fiscalização é de cada candidatura.

Bolsonaro conseguiu energizar sua base e congestionar o ambiente para evitar a discussão de temas desagradáveis para sua campanha. O presidente aposta mais uma vez no batido discurso de que o TSE conspira com o PT, estimulando agitações para melar a disputa. O bolsonarismo pode trocar de roupa e preencher planilhas, mas continua igual.

Mais

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - Bolsonaro continua atrás de um pretexto para melar a eleição - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Bolsonaro continua atrás de um pretexto para melar a eleição

5 74 69
27.10.2022

Para que não restassem dúvidas, Jair Bolsonaro deixou clara a prioridade de sua campanha nos dias finais do segundo turno. Num comício em Minas Gerais, o presidente alertou os eleitores para o que seria "o assunto do momento" e sentenciou: "Sou vítima mais uma vez".

O comitê da reeleição trabalha há três dias para espalhar a ideia de que Bolsonaro é alvo de uma sabotagem na transmissão da propaganda de rádio. O plano vem sendo executado de forma meticulosa para lançar suspeitas a conta-gotas, tumultuar o ambiente eleitoral, desviar atenções e vitimizar o candidato.

O único fato irrefutável que a campanha de Bolsonaro apresentou até agora foi uma queixa: a de que emissoras de vários estados deixaram de veicular milhares de inserções do candidato durante a programação. Poderia ser verdade, mas comprovar essa........

© UOL


Get it on Google Play