Por quatro anos, Jair Bolsonaro se dedicou a tumultuar o ambiente político. Tentou atropelar as regras do jogo, atacou órgãos de controle, atuou para deslegitimar adversários, alimentou personagens extremistas de seu campo, espalhou desinformação, buscou corroer a confiança nas eleições e nutriu ameaças recorrentes de um golpe militar.

Se Bolsonaro usa essas ferramentas enquanto tem o poder nas mãos, não há por que acreditar que ele passará à oposição de maneira civilizada. Mesmo antes da saída do presidente do cargo, o bolsonarismo dobrou a aposta em sua rede de mentiras, na deterioração do sistema democrático e numa investida permanente contra as instituições.

Um dos marcos da nova etapa é a sustentação da falsa teoria de que a derrota de Bolsonaro nas urnas foi provocada por uma conspiração contra o capitão. Ainda que o presidente tenha recomendado que manifestantes golpistas desbloqueassem rodovias, ele e seus companheiros na cúpula das Forças Armadas fizeram questão de validar protestos nas portas dos quartéis.

Mais

Nesse caminho, o bolsonarismo tende a fazer uma oposição política que transcende o governo eleito e põe em destaque aquele que foi forjado como seu principal inimigo: o Supremo Tribunal Federal. Os ataques à atuação da corte já se provaram capazes de manter apoiadores do presidente mobilizados, tanto nas ruas como no Congresso.

O método de Bolsonaro se mostrou inútil para governar o país. Produziu um desastre administrativo e fabricou a unificação de seus críticos. A agitação, no entanto, cumpriu uma função política que ele pretende transportar para a oposição.

Interessa agora a Bolsonaro fazer uma boa dose de pressão sobre Lula, renovar as cores de seu figurino antissistema e preservar o barulho entre seus apoiadores pelos próximos quatro anos. O objetivo não é apenas manter a relevância política do capitão, mas tornar um eventual retorno ao poder algo parecido com uma missão revolucionária.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Leia tudo sobre o tema e siga:

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

QOSHE - Bolsonarismo leva tumulto dos anos de governo para a oposição - Bruno Boghossian
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Bolsonarismo leva tumulto dos anos de governo para a oposição

3 0 0
15.11.2022

Por quatro anos, Jair Bolsonaro se dedicou a tumultuar o ambiente político. Tentou atropelar as regras do jogo, atacou órgãos de controle, atuou para deslegitimar adversários, alimentou personagens extremistas de seu campo, espalhou desinformação, buscou corroer a confiança nas eleições e nutriu ameaças recorrentes de um golpe militar.

Se Bolsonaro usa essas ferramentas enquanto tem o poder nas mãos, não há por que acreditar que ele passará à oposição de maneira civilizada. Mesmo antes da saída do presidente do cargo, o bolsonarismo dobrou a aposta em sua rede de mentiras, na deterioração do sistema democrático e numa investida permanente contra as instituições.

Um dos marcos da nova etapa é a sustentação da falsa teoria de que a derrota de Bolsonaro nas urnas foi provocada por uma conspiração........

© UOL


Get it on Google Play