We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Os inimigos imaginários do PSD e do CDS

1 0 0
26.09.2019

É comum, em criança, ter-se um amigo imaginário. Aquele com quem brincamos durante horas, a quem confessamos o inconfessável e que está sempre lá, aconteça o que acontecer. Na política - como no futebol -, quando as coisas começam a correr mal, inventam-se inimigos imaginários. A tática é muito antiga e funciona, normalmente, como manobra de último recurso quando alguém está na mó de baixo e precisa de fazer prova de vida.

O inimigo imaginário permite a vitimização. Nem sempre resulta, mas permite, pelo menos, ganhar tempo e espaço. É assim que os presidentes dos clubes reagem quando os resultados das equipas não aparecem. É assim que os políticos funcionam quando começam a perder a mão no partido, quando perdem eleições ou quando as sondagens não lhes são favoráveis. E é isso que está a acontecer, neste momento, com o centro-direita em Portugal.

Rui Rio, que é um especialista nesta arte, sempre se orgulhou de ser um político que se galvaniza perante as adversidades. E é por isso que não lhe bastam os inimigos que tem, precisa sempre de inventar mais uns quantos, para se poder agigantar ainda mais. Foi assim no Porto, está a ser assim no país. Aos adversários internos, Rio junta, normalmente, os jornalistas, os comentadores, as empresas de sondagens, os magistrados, as corporações. Tudo parece servir-lhe como........

© TSF Rádio Notícias