We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Com anuência do CFM, Prevent Senior transformou brasileiros em cobaias humanas

6 437 1099
26.09.2021

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Entre tantas falas vexatórias de Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU, uma soou como confissão de culpa pelos crimes de atentado contra saúde pública liderados por seu governo. O presidente declarou: “Desde o início da pandemia, apoiamos a autonomia do médico na busca do tratamento precoce, seguindo recomendação do nosso Conselho Federal de Medicina”. Esse apoio à “autonomia dos médicos na busca do tratamento precoce” pode até parecer uma coisa boa, mas, no contexto atual, trata-se de uma defesa velada do charlatanismo durante a pandemia.

Quando se conhecia pouco o coronavírus, a ideia de testar medicamentos como hidroxicloroquina e ivermectina fazia algum sentido. Hoje, diante de uma pororoca de evidências que comprovam a ineficácia dessas drogas e o perigo do seu uso indiscriminado, a defesa desse “tratamento precoce” é criminosa. O mais grave é que o presidente não está sozinho na prática desse crime. Há uma legião de médicos, hospitais e planos de saúde — todos alinhados à ideologia bolsonarista — envolvidos num esquema macabro de charlatanismo. Além deles, temos também o CFM, que Bolsonaro tratou no discurso na ONU como o fiador de toda essa picaretagem — o que de fato é.

Uma reportagem da GloboNews e um dossiê elaborado pela CPI da Covid a partir de denúncias de médicos ajudaram a revelar um esquema tétrico de experimentos não autorizados em pacientes da Prevent Senior, um dos maiores planos de saúde do país. De acordo com as denúncias, a empresa fraudou pesquisas, pressionou médicos a receitarem remédios comprovadamente ineficazes e escondeu sete mortes por covid-19.

No ano passado, a empresa divulgou um estudo que comprovava que o uso da cloroquina associada à azitocimina tinha alta eficácia no combate à doença. O estudo tinha aparência, jeito e cheiro de picaretagem. E era mesmo, tanto que foi cancelado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, a Conep, que não autorizou os experimentos e apontou uma série de falhas técnicas e omissões no estudo. Desmascarada, a Prevent Senior agora alega ter sido um........

© The Intercept


Get it on Google Play