Foi com grande surpresa que o mundo recebeu os resultados das eleições presidenciais na Argentina. Primeiro, em agosto, quando o controverso deputado Javier Milei foi o candidato mais votado nas primárias, com 30% dos votos, assumindo a liderança da chapa Libertad Avanza.

Em seguida, no 1° turno realizado em 22/10/2023. Sérgio Massa, candidato situacionista e atual ministro da economia, assumiu a dianteira da disputa, com 35,56% dos votos. Milei ficou em segundo lugar, com 30,05%. Os dois candidatos disputarão o segundo turno, el ballotage, a ser realizado em 19 de novembro.

Até aqui, as pesquisas erraram para todos os lados. Não detectaram a força de Milei e tampouco identificaram a recuperação de Massa. Isso mostra os limites que as pesquisas inventadas para entender os sentimentos das sociedades de massa estão enfrentando. A dinâmica das mídias digitais parece exigir novas metodologias de investigação e os institutos especializados ainda não encontraram a calibragem adequada.

Quero discutir o significado político profundo das eleições presidenciais argentinas.

Em um mundo hiperconectado, algumas experiências políticas, inevitavelmente, se tornam transnacionais. É o caso da crise da democracia liberal representativa, que se manifesta no Brasil, nos EUA, na Inglaterra, na França, na Espanha, na Hungria, na Polônia, na Turquia e na Argentina, pra ficarmos em poucos exemplos.

A crise democrática global é uma das principais características dos nossos tempos e a disputa eleitoral na Argentina expressa essa realidade.

Como?

A resposta nos leva à figura de Javier Milei.

A quebra do decoro na comunicação social, a motosserra como símbolo de destruição, a autorrepresentação como outsider revolucionário capaz de destruir os privilégios das elites. Um tipo de retórica política que no passado pertencia às esquerdas e agora foi tomado pela extrema-direita. Hoje, são as esquerdas que defendem a ordem democrática liberal.

Quem te viu, quem te vê....

As semelhanças entre Milei e Bolsonaro são óbvias, assim como as afinidades entre Massa e o governo Lula também são. A prudência diplomática que recomenda aos governos que não se intrometam nos processos eleitorais de outros países caiu por terra.

O PT enviou marqueteiros à Argentina. O Brasil foi avalista da entrada da Argentina no BRICS e manifestou disposição em financiar o gasoduto de Vaca Muerta.

A comunicação institucional do governo brasileiro não poupou fotos em que o presidente Lula e o ministro Haddad aparecem confraternizando com Sergio Massa. O destinatário dessas imagens, obviamente, é o eleitorado argentino. É como se o Brasil estivesse prometendo que o possível governo Massa contaria com a ajuda econômica do país mais rico da região.

A eventual vitória de Milei seria, sim, fator de desestabilização para o esforço de reconstrução democrática que está sendo empreendido pelo governo Lula. Significaria, também, injeção de ânimo na militância bolsonarista.

O outro lado também não está poupando esforços.

Eduardo Bolsonaro foi a Buenos Aires manifestar apoio a Milei e tentar fortalecer sua posição de líder da internacional pós-fascista. Eu poderia apostar que será ele o escolhido para suceder o pai nas urnas em 2026. Tarcísio de Freitas, Zema e cia ficarão chupando dedo. Mas isso é conversa para outro momento, para outros textos.

Retomando a pergunta inicial:

Ainda que a vitória parcial de Sérgio Massa no 1° turno mostre a grande resiliência do peronismo, algo continua muito errado no sistema democrático argentino.

Milei relativiza os crimes cometidos pela ditadura. O fato de um sujeito assim ter tanta força eleitoral no país que colocou em prática a mais eficiente justiça de transição da América Latina era algo impensável até pouco tempo atrás.

O fenômeno Milei traduz a tristeza e a revolta geradas pela incapacidade da democracia liberal em promover um mínimo de bem-estar social no atual estágio da acumulação capitalista.

Para as classes políticas democráticas fica o desafio de compreender o real sentido da crise: “democracia” não é apenas um conceito, não é tão somente uma abstração. Precisa ser experiencia concreta de dignidade social e bem-estar material.

A ação política democrática precisa, no mínimo, moderar apetite do capitalismo pós-industrial, no sentido de preservar os direitos sociais e laborais produzidos pelo social-democracia ao longo da segunda metade do século XX.

Para quem tem o prato vazio, pouco importam as diferenças formais entre ditadura e democracia.

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

QOSHE - Qual o significado político profundo da eleição presidencial na Argentina - Rodrigo Perez Oliveira
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Qual o significado político profundo da eleição presidencial na Argentina

3 8
26.10.2023

Foi com grande surpresa que o mundo recebeu os resultados das eleições presidenciais na Argentina. Primeiro, em agosto, quando o controverso deputado Javier Milei foi o candidato mais votado nas primárias, com 30% dos votos, assumindo a liderança da chapa Libertad Avanza.

Em seguida, no 1° turno realizado em 22/10/2023. Sérgio Massa, candidato situacionista e atual ministro da economia, assumiu a dianteira da disputa, com 35,56% dos votos. Milei ficou em segundo lugar, com 30,05%. Os dois candidatos disputarão o segundo turno, el ballotage, a ser realizado em 19 de novembro.

Até aqui, as pesquisas erraram para todos os lados. Não detectaram a força de Milei e tampouco identificaram a recuperação de Massa. Isso mostra os limites que as pesquisas inventadas para entender os sentimentos das sociedades de massa estão enfrentando. A dinâmica das mídias digitais parece exigir novas metodologias de investigação e os institutos especializados ainda não encontraram a calibragem adequada.

Quero discutir o significado político profundo das eleições presidenciais argentinas.

Em um mundo hiperconectado, algumas experiências políticas, inevitavelmente, se tornam........

© Revista Fórum


Get it on Google Play