Diante de crianças aterrorizadas, machucadas, mortas, de ambos os lados, o que dizer?

Quando nem os limites das leis da guerra – de não atacar a população civil, não a tornar refém, não cortar água, luz e comida de milhões há anos sitiados, não bombardear residências, escolas, hospitais, campos de refugiados e templos – são respeitados, o que falar?

Nenhuma causa avança, por mais justa que seja, se, reivindicando humanidade, opera-se com desumanidade.

Nenhum "direito de revide" se sustenta quando baseado na devastação, extermínio e asfixia da gente "inimiga".

As mentiras são muitas – na guerra, a primeira vítima é a verdade – mas é real o sangue, o medo, o horror em todo canto. Ponha-se naquele lugar.

A agonia de hoje vem de longe. Da longa noite de um povo palestino negado, apartado, discriminado em sua própria terra.

Cada dia, cada noite que passa, cortada por mísseis letais e ameaças de morte de prisioneiros, é um passo atrás na direção do essencial: fim imediato das hostilidades, mesa de conversação, garantia dos dois estados na região, com fronteiras e culturas respeitadas, como a ONU já decidiu. Nem antissemitismo nem islamofobia!

Em nome da vida, sobretudo dos que chegaram nela há pouco e não merecem ser recebidos com essas atrocidades.

No Brasil, o Dia das Crianças é comemorado no dia 12 de outubro. Mas é preciso protegê-las no mundo inteiro.

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

QOSHE - "Pensem nas crianças mudas, telepáticas, pensem nas meninas cegas, inexatas” – Por Chico Alencar - Chico Alencar
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

"Pensem nas crianças mudas, telepáticas, pensem nas meninas cegas, inexatas” – Por Chico Alencar

2 0
12.10.2023

Diante de crianças aterrorizadas, machucadas, mortas, de ambos os lados, o que dizer?

Quando nem os limites das leis da guerra – de não atacar a população civil, não a tornar refém, não cortar água, luz e comida de milhões há anos sitiados, não bombardear residências, escolas, hospitais, campos de refugiados e templos – são respeitados, o que falar?

Nenhuma........

© Revista Fórum


Get it on Google Play