A França decidiu alterar a sua Constituição e garantir no artigo 34º a liberdade de a mulher recorrer à interrupção voluntária da gravidez.

A constitucionalização do “direito ao aborto” foi apresentada como inovadora no contexto internacional. E é. Trata-se, porém, de uma inovação perigosa e desumana ao consagrar na Constituição como direito fundamental a morte de vidas humanas inocentes.

A França torna-se assim, no primeiro Estado a inscrever o direito a matar na respetiva Constituição. Como se a cultura da morte se transformasse em algo legítimo e saudável, pelo simples facto de estar inscrita num texto constitucional.

O que se conclui é que estamos perante uma voracidade ideológica que atravessa - demagógica e totalitariamente - todas as fronteiras. Mesmo que à custa de milhões de crianças que nunca verão a luz do dia e às quais não são reconhecidos quaisquer direitos, muito menos o mais fundamental de todos eles - o direito à vida.

QOSHE - A morte como direito fundamental - Nota De Abertura
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

A morte como direito fundamental

8 0
08.03.2024

A França decidiu alterar a sua Constituição e garantir no artigo 34º a liberdade de a mulher recorrer à interrupção voluntária da gravidez.

A constitucionalização do “direito ao aborto” foi apresentada como inovadora no........

© Renascença

Get it on Google Play