Precisamente porque não estamos a viver dias normais; precisamente porque estamos a habitar um tempo em que cada gesto é analisado ao pormenor, convém que os partidos políticos e os seus líderes pensem bem na dimensão simbólica de cada um dos seus actos – e muito em particular o que significa faltar à tomada de posse de um governo democraticamente eleito no actual contexto político. O PCP não esteve presente. O Bloco de Esquerda não esteve presente. Rui Tavares não esteve presente. Pedro Nuno Santos não esteve presente. Não serão todas estas ausências um gesto de puro radicalismo? Ou o radicalismo em 2024 é um exclusivo do Chega?

QOSHE - Faltar à tomada de posse do Governo não é radicalismo? - João Miguel Tavares
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Faltar à tomada de posse do Governo não é radicalismo?

23 0
03.04.2024

Precisamente porque não estamos a viver dias normais; precisamente porque estamos a habitar um tempo em que cada gesto é analisado ao pormenor, convém que os........

© PÚBLICO

Get it on Google Play