We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Desarmar o 31: um guia para as ideias liberais

4 7 0
08.05.2019

Estarão os liberais portugueses obcecados com a mitologia grega e com a psicanálise de Freud ou apenas empenhados em superar de vez as questiúnculas doutrinais que têm atrapalhado a solidificação e avanço das ideias de John Locke e de Adam Smith em solo nacional?

Começo com esta provocação a análise do livro Juntos, somos quase um 31. Liberais à solta!, lançado no início deste mês pela Alêtheia / Oficina da Liberdade, pois é a segunda vez, em menos de um ano, que me deparo com os dramas de Édipo, Laio e Jocasta em textos relacionados com o liberalismo em Portugal. No caso em apreço, coube a Gabriel Mithá Ribeiro, um dos 29 autores deste volume, socorrer-se do lendário parricídio para desenvolver o seu raciocínio, mas a mais significativa das referências foi anterior, lançada num texto de 2018 por Carlos Guimarães Pinto, presidente em exercício do novo partido Iniciativa Liberal (IL).

Carlos Guimarães Pinto, que é também um dos “liberais à solta” deste livro, recua nesse escrito às décadas de 80 e 90, quando a palavra “liberal” era utilizada em Portugal como um insulto quase ao nível de “fascista”, e só o economista Pedro Arroja, com a reconhecida capacidade que possui de conviver com vitupérios, se atrevia a defender sem subterfúgios a importância do capitalismo, da concorrência, do livre comércio, da propriedade privada e da frase-choque setecentista “laissez faire et laissez passer, le monde va de lui même”. Essa viagem ao nosso passado recente pretendia mostrar que os vários autores dos inúmeros blogues que, a partir de 2003, se lançaram na defesa das causas liberais são, muito naturalmente, filhos de Arroja, e que, cumprindo à risca o preconizado pela Primeira Escola Vienense de Psicoterapia, foi necessário que patriarca e respectiva descendência se digladiassem para que a transmissão do testemunho pudesse ocorrer.

Mais do que o desencanto contemporâneo de Pedro Arroja com o liberalismo, interessava a Guimarães Pinto explicar a forma como essa atitude de confronto se repetia nos dias de hoje, numa espécie de movimento de eterno retorno, fazendo com que alguns dos filhos de Arroja lançados pela blogosfera se envolvessem em acesas discussões com os netos de Arroja que entretanto trataram de........

© Observador