We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Berardo, um pobre-diabo /premium

3 6 0
16.05.2019

Como muita gente, e mais ou menos por acaso, assisti à integralidade da audição de Joe Berardo no Parlamento, e a impressão foi suficientemente forte para me permitir o inevitável artigo sobre o caso. Não é uma maneira de tentar compensar uma tarde perdida para actividades mais nobres, como ler ou ouvir música. É que raras vezes vi algo que revelasse tanto sobre nós, sobre a nossa sociedade, sobre o modo como nela se ganha relevo e importância e até sobre o curioso papel que a “cultura” tem por estas paragens. O grosso dos comentários produzidos sobre a audição tendeu a confirmar as intuições mais imediatas.

Fio-me nas aparências, é claro. Mas, a acreditar nelas, não há como não concluir o óbvio: Joe Berardo é uma personagem grotesca. É uma personagem grotesca da cabeça aos pés, da maneira como se veste ao seu muito palpável analfabetismo, passando pelo indisfarçável auto-comprazimento que ostenta relativamente à sua capacidade de, com a ajuda de uma equipa de especialistas, tornear a lei em seu benefício próprio. De tudo isso resulta a imagem de um pobre-diabo muito contente com as suas habilidades e que obtém uma espécie de satisfação narcísica primária em as publicitar. A partir de uma certa estupefacção inicial (admito), aquela audição mergulhou-me num sentimente de hilariedade incontida. Ao ponto de me parecer inexplicável não se ouvir o formidável coro de uma gargalhada colectiva por parte dos deputados presentes a cada vez que Berardo abria a boca, ou quando se calava por indicação do seu........

© Observador