We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

As sensibilidades demonstrativas /premium

2 4 0
30.05.2019

Nos Souvenirs, Tocqueville conta um seu encontro com o irmão e a cunhada no início da revolução de 1848. A cunhada tinha, como de costume, perdido a cabeça e só conseguia imaginar o marido assassinado e as filhas violadas. Tocqueville lamenta o facto de as desgraças do país não despertarem nela qualquer sentimento, excepto no que tocava à sua família mais próxima. O seu espírito tinha minguado e o seu coração esfriado: “a mais honesta mulher e a pior cidadã que se podia encontrar”. Resumindo: “Era uma mulher de uma sensibilidade demonstrativa, em vez de extensa e profunda”.

Há, é claro, muita gente assim, e o mínimo que se pode dizer é que o contacto com as sensibilidades demonstrativas pode provocar um certo incómodo. Tudo se parece reduzir ao caudal de sentimentos próprios, sem intromissão alguma da mais ténue reflexão sobre o mundo exterior. O domínio do privado ocupa todo o espaço da realidade e é exposto de uma forma invariavelmente exaltada e avassaladora. Para mais – e aqui entro em algo que Tocqueville não menciona, mas que sempre me pareceu estar no centro de tal atitude -, há muito de artificial na coisa. As sensibilidades demonstrativas, sob a capa de uma aparente autenticidade, possuem na verdade uma natureza profundamente mimética, e por isso mesmo se confundem, nos seus gestos essenciais, umas com as outras. De facto, obedecem a um modelo que lhes diz como se devem comportar, como devem sentir, e seguem à risca esse mesmo modelo, fazendo-o movidas por um forte sentimento de obrigação. Exibirem os tormentos da sua própria individualidade, nomeadamente na sua preocupação em relação aos outros, é mais um imperativo social do que outra coisa. Há, por........

© Observador