We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Como evitar um 4º resgate? /premium

4 26 0
16.06.2019

A memória das pessoas é curta. E basta uns anos de relativa bonança para que alguns esqueçam o passado. Mas nós, portugueses, temos a responsabilidade de não o esquecer. Tivemos três resgates financeiros (em 1977; em 1983 e em 2011) e não queremos mais nenhum. Para isso não basta a vontade. É preciso uma estratégia para o crescimento económico, para a sustentabilidade das finanças públicas e para novas práticas e reformas institucionais que potenciem ambas. Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra apesar das significativas melhorias dos últimos anos.

Ao nível do poder executivo, há duas áreas chave – a economia e as finanças. Na economia, é preciso uma visão estratégica em relação ao crescimento económico, sustentada por políticas públicas com estabilidade entre as várias legislaturas, de modo a que a economia cresça no mínimo acima da média da zona euro. Nas finanças, é preciso que os próximos governos tenham uma equipa capaz de lidar com as pressões normalmente despesistas quer dos ministros sectoriais quer das empresas públicas no perímetro orçamental das administrações públicas. Só a manutenção de contas ligeiramente deficitárias com crescimento, permitirá reduzir significativamente o peso da dívida pública. As prioridades do investimento público devem ser claras e o escrutínio das decisões políticas permanentes evitando os elefantes brancos do passado.

Ao nível do poder legislativo a fiscalização do governo deve........

© Observador