We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Que fica do que passa? Nada? (E duas notas) /premium

2 4 0
19.06.2019

1. Há poucas semanas a atenção global estacionou por uma tarde nas chamas de Notre Dame, em Paris. Um coro de pena e lamentos embora hoje, seja já com um desinteresse distraído que vagamente se ouve dizer que “houve uma missa” ou que alguém sugeriu “colocar uma piscina” no ex-tecto da Catedral, quando se iniciar a reconstrução.

E há dias, a atenção do país – instituições, escritores, políticos, literatos, amigos próximos, longínquos, povo, mirones, media — fixou-se na despedida de Agustina Bessa Luís. Brevemente: quando no dia seguinte, por sugestão desinteressada mas inteligente de alguém, propus a um meio de comunicação social a publicação de um quase desconhecido texto da escritora, a resposta foi “ah mas agora já não vai ‘dar’, estamos com os 30 anos de Tienamen”, e era verdade: estavam todos na China.

2. Se apenas há força convocatória no célere momento conhecido por actualidade — mas logo enxotado para fora do écran e da vida, porque essa é a regra — a quem interessa o que conta? A quem interessará de facto esta incerta paisagem nossa, humana, política, económica, social, fora do reduto dos “paisagistas” dela encarregues ?

Que fica deste borbulhante entra-e-sai, como no carrossel das feiras para além de mentes desapossadas? Nada? Que se guarda dos que morrem, sempre heróis com glória e sem mácula — nenhuma mácula — no dia em que partem, embora nos dias seguintes, tempos depois, anos depois, ninguém lhes evoque nem nome, nem legado? E que se retém do que seria obrigatório reter e as coisas da vida servirem de facto para alguma coisa em........

© Observador