We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Os geringonços monárquicos /premium

6 19 1354
25.02.2019

1. A tendência dos apoiantes da geringonça para construírem realidades paralelas onde a lei e a regra dos comuns mortais não se aplicam não pára de surpreender. Desta vez, está em causa o facto do pai José Vieira da Silva e da filha Mariana Vieira da Silva passarem a partilhar dois assentos no Conselho de Ministros — o que agrava o ambiente familiar do Governo que já conta com o casal Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino.

Das reações dos apoiantes deste Governo que fui lendo nos últimos dias, uma das que mais me impressionou foi a de Daniel Oliveira. Filho de Herberto Hélder, um dos maiores poetas portugueses desde Fernando Pessoa, Oliveira fez questão de recordar o seu caso pessoal para dizer que Mariana Vieira da Silva não pode ser prejudicada por ser filha de quem é.

Se se tivesse ficado por aqui, estaria tudo bem. Mas não, Daniel Oliveira decidiu criar uma espécie de narrativa de vitimização de que um filho de uma figura pública tem de provar duas vezes o seu valor para se proteger de eventuais julgamento não ser acusado de ser favorecido.

Não deixa de ser ridículo que se tente fazer de Mariana Vieira da Silva (ou de Daniel Oliveira) vítimas para tentar ‘virar o jogo’ quando, na realidade, são claramente privilegiados — e esta não é uma crítica, é uma constatação de facto.

Os pais de Daniel Oliveira e de Mariana Vieira da Silva fazem parte de uma minoria que frequentou o ensino universitário. Uma maioria clara dos portugueses nascidos entre os anos 30 e 60 do século passado têm como nível médio a 4.ª classe. Ou seja, Daniel e Mariana cresceram no seio de uma família de licenciados, de letrados, com rendimentos acima da média, o que lhes permitiu ter acesso a informação e a uma cultura que a maioria dos portugueses da mesma idade que Daniel e Mariana não tiveram.

Portanto, quem teve de trabalhar a dobrar, a triplicar e a quadruplicar para subir no chamado elevador social não foram Daniel e Mariana. Foram os outros que tiveram pais com a 4.ª classe, que tiveram de se deslocar do interior para o litoral, que........

© Observador