We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Leva um agasalho que estão alterações climáticas! /premium

6 31 483
12.03.2019

Muito resumidamente, eis a minha posição sobre o aquecimento global. A temperatura média da Terra aumentou 1°C desde meados do séc. XIX. E, embora as emissões de CO2 provenientes da actividade humana contribuam para o efeito de estufa, mantêm-se em funcionamento os outros factores que sempre influenciaram o clima e fazem dele um sistema tão complexo. Assim, a contribuição humana para a subida das temperaturas, ainda que exista, não é de todo decisiva. As alterações verificadas (com os seus aspectos negativos e, não esquecer, positivos) fazem parte da variabilidade natural do clima.

Logo, uma revolução na estrutura económica mundial, tal como a exigida pelo Acordo de Paris (e, agora, por iniciativas como o Green New Deal nos EUA) é uma solução demasiado radical para resolver um problema que a humanidade, se não teve poder para causar, não tem poder para solucionar. A aplicação de medidas tão drásticas implica uma transformação profunda do nosso modo de vida, que afectará a forma como nos alimentamos, trabalhamos e protegemos – uma transformação que, reconheça-se, a Venezuela está a fazer com assinalável sucesso. Mas, havendo este grau de incerteza, é uma mudança definitiva demais para levar a cabo. Citando cientista muito inteligentes já mortos, afirmações extraordinárias requerem provas extraordinárias. Portanto, o risco potencial da solução é maior do que o risco potencial do problema. Ao contrário do que os alarmistas querem fazer crer (sendo “crer” aqui usado também no sentido religioso), impondo um sentido de urgência, um pânico moral, que serve para justificar a implementação a mata-cavalo das medidas mais extremas.

É má ideia substituir à bruta uma energia barata e acessível por outra que, por enquanto, não dá garantias de conseguir alimentar o consumo energético necessário para continuar a tirar e manter pessoas fora da pobreza. As energias renováveis serão o futuro, mas, por agora, por ainda serem intermitentes e pouco........

© Observador