We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

A Descoberta do Caminho Marítimo para o Barreiro /premium

7 28 0
04.06.2019

Mais de 500 anos após a gesta heróica de Vasco da Gama, Portugal volta a celebrar feitos épicos de navegadores, homens valentes que ultrapassam os mais improváveis obstáculos para atingir o destino sonhado. Cinco séculos depois, a façanha da Descoberta do Caminho Marítimo para a Índia é reeditada, agora enquanto Descoberta do Caminho Marítimo para o Barreiro. Dois testemunhos da apetência ímpar dos portugueses para viagens impossíveis: as das caravelas de outrora e as dos cacilheiros de hoje.

Claro que há óbvias diferenças entre as expedições. A viagem do Gama durou 10 meses, a viagem para a Outra Banda, com ventos propícios, raramente chega a tanto. Mais: aos tripulantes das naus exigia-se coragem física durante a jornada. Aos passageiros da Soflusa a coragem física também é necessária, mas antes da partida, caso seja necessário andar à bulha com alguém que venha roubar o lugar na fila. Os tripulantes de antanho tinham os dentes estragados pelo escorbuto, os de agora é por andarem à batatada no cais.

Também a ansiedade é diferente. O descobridor do séc. XV angustiava-se por não ter a certeza para onde o seu barco se dirigia. O de agora sabe perfeitamente que é para o Barreiro. Aliás, consegue vê-lo do outro lado do Tejo. Não sabe é se há barco. Onde uns ousaram passar ainda além da Taprobana, outros não sabem se passarão sequer além do torniquete.

Essa é, aliás, a grande pecha da epopeia de hoje: não haver um Camões que verta para decassílabos os episódios mais emocionantes, desde a jeremiada do Velho do Restelo (um tipo qualquer que diz “vão pela ponte que é mais seguro, pá!”), até ao confronto com o Adamastor........

© Observador