We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

É fogo que arde sem se dramatizar /premium

4 10 317
02.04.2019

Em entrevista à TSF, António Costa garantiu que, tratando-se de ano eleitoral, “toda a gente vai querer dramatizar qualquer incêndio que exista”. O PM tem razão. Em Portugal, as pessoas tendem a dramatizar dramas. Têm pouca imaginação, os portugueses. Face a um drama, como um incêndio, a tendência é reagir da primeira forma que lhes vem à cabeça, a redundante dramatização. Há pouca reflexão sobre acontecimentos dramáticos enquanto se desenrolam. E não há um esforço criativo para procurar outra resposta. Os portugueses podiam relativizar o drama, desvalorizar o drama, ignorar o drama, escarnecer do drama. Mas não, quando vêem a sua casa a arder e correm risco de serem transformados em torresmos, os nossos compatriotas não são capazes de um rasgo de fantasia, de pensar fora da box, e acabam, inevitável e aborrecidamente, por dramatizar. O fogo já é tão repetitivo (não faz outra coisa que não queimar), que era mais animado se as reacções variassem.

Por sorte, a António Costa não falta inventividade em frente às labaredas. Podemos sempre contar com o PM para reagir aos incêndios de forma original. Seja descansando em merecidas férias, organizando um focus group para perceber se as pessoas levam a mal o facto de ele não dramatizar incêndios, ou exasperando-se quando jornalistas lhe perguntam se não seria altura de dramatizar um bocadinho os incêndios, Costa surpreende sempre na forma como encara a tragédia.

(Em nossa defesa, há que dizer que não somos os únicos. Já os antigos gregos dramatizavam o fogo. Fartaram-se de dramatizar sobre Prometeu, que roubou o fogo aos deuses para o........

© Observador