We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

São os loucos de Lisboa (e do resto do país) /premium

8 23 0
16.11.2019

Há oito dias, numa daquelas erupções emotivas em que é pródigo, o prof. Marcelo subiu a um palco e declarou: “Conseguimos! Portugal tornou-se no país chave da revolução tecnológica!”. O palco era o da Web Summit, uma cerimónia de carácter religioso que decorreu para os lados de Moscavide e na qual ninguém, em nenhum canto do mundo civilizado e do outro, reparou. O extraordinário evento, que não foi noticiado por qualquer “media” a leste de Badajoz e a oeste das Berlengas, serviu para um guru carismático vender bilhetes e camisolas, para o Estado “investir” milhões e para governantes sem vergonha recolherem o aplauso de fiéis em transe. E só.

Portugal talvez seja razoável em matéria de rolhas e chinelos de dedo, mas anda tão distante da revolução tecnológica quanto perto dos resultados de uma lobotomia desastrosa. A coisa não teria sido pior se o prof. Marcelo tivesse visitado o IV Torneio de Columbofilia de Famalicão e decretado que estamos na vanguarda da conquista espacial. Ao contrário do que garante o prof. Marcelo, Portugal não tem os melhores jogadores do mundo, os melhores bombeiros do mundo, os melhores emigrantes do mundo e nem sequer os melhores portugueses do mundo. Em compensação, tem,........

© Observador