We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

A propósito de ditaduras /premium

4 24 1570
03.11.2018

Não vou escrever sobre o sr. Bolsonaro, o alegado fascista que, com os votos de milhões de alegados fascistas, vai liderar um governo de alegados fascistas e estabelecer o alegado fascismo no Brasil. Digo apenas que é triste ver uma nação que até aqui se distinguia pela prosperidade e pelo sossego arriscar cair na intolerância e no ódio. O lado positivo é que Portugal não arrisca nada: já caiu.

Na noite de Domingo, as eleições brasileiras interessaram-me menos do que as respectivas reacções deste lado do mar. Nas “redes sociais”, fervorosos inimigos do racismo e da xenofobia desataram a insinuar com variável franqueza a deportação da maioria de brasileiros que, por cá, votou no sr. Bolsonaro. Houve quem recomendasse a varridela incondicional dos brasileiros. Houve quem sugerisse trocá-los por brasileiros bonzinhos e predispostos à fraternidade. E houve quem prometesse o despedimento imediato da empregada doméstica, essa fascista que preferiu entregar o país dela ao sr. Bolsonaro do que à associação caritativa chamada PT.

Por regra, estas manifestações de harmonia universal partiram de anónimos (que urge promover à notoriedade). Algumas, porém, saíram de gente que, talvez por causa da flagrante sofisticação, ocupa cargos políticos ou distribui palpites na televisão. Mesmo o prof. Marcelo, o exacto avesso do populismo, concedeu........

© Observador