Rotinas alimentação saudável, telemóveis, horário de estudo, tempo para brincar, horas de chegar a casa, momentos de leitura e limites para a televisão, gestão financeira, roupa desarrumada, comer fora de horas, autorização para fumar ou beber, horas para deitar e para levantar, tarefas pessoais e familiares, transportes e boleias. Gerir filhos é uma competência do âmbito da engenharia e da gestão. Precisamos de esquemas e de equações, de dominar o excel e a contabilidade, é fundamental criar mecanismos de monitorização e de fiscalização, é imperativo traçar objetivos e estratégias, avaliar o desempenho e considerar investimentos. Tudo isto tendo por base uma realidade mutável, dinâmica, imprevisível.

Quem consegue?

Não há engenheiros para isto e os gestores, vocacionados para gerar lucro, são manifestamente incapazes de gerir uma empresa que pela sua natureza apenas produz um gigantesco buraco financeiro. Nós, pais, ansiamos pelas suas competências técnicas, mas não temos a sua disciplina. Falta-nos a coerência no desempenho de funções, a frieza para fazer cumprir as regras e até a criatividade para as estabelecer. Telemóveis. “Não deixem que os vossos filhos levem os telemóveis para a cama”, dizem os psicólogos. E nós não deixamos. Só que eles levam. E nós tiramos. E eles voltam a levar porque precisam de “ver uma coisa da escola”. E nós tiramos. Mas há um dia em que nos esquecemos da fiscalização. E outro e mais outro. Até que desistimos. “Deixem os miúdos pintar, desenhar, porque só assim os afastam dos ecrãs”. E deixamos. Deixamos e arrumamos tudo a seguir, entre o trabalho e o jantar, apanhamos as canetas do chão, lavamos os pincéis e varremos papelinhos do chão que eles deixaram espalhados porque foram fazer os TPC e tomar banho. Até que um dia, vencidos pelo cansaço, proibimos. E lá vão eles para os ecrãs. “Quando chegarem a casa, acordem-me”, decretamos quando a adolescência chega com as saídas à noite. Até que numa das noites, “esqueci-me…”. E outra em que alegam que nos acordaram, mas estávamos tão ferrados que não nos lembramos. E outra em que acordaram o pai e não mãe. E assim, devagar, vão furando o decreto. Tirar a loiça da máquina, arrumar a roupa, estudar. As regras vão sendo contornadas, por imprevistos que surgiram, porque não foi ninguém, porque já tinha arrumado, porque tinha dores de cabeça ou simplesmente porque “esqueci-me”.

Nós não dispomos de mecanismos para a gerir as nossas empresas familiares: não nos é permitido despedir filhos, não podemos meter baixa e até nas férias levamos a empresa atrás . Também não temos meios: câmaras de vigilância, por exemplo, ou acionistas para fazerem aumentos de capital quando falta o dinheiro para mais gasolina, mais explicações, mais roupa, etc. Resta-nos os castigos, cortar as semanadas, mudar a password do wi-fi, mandar para a cama. Mas quem são os pais de hoje que têm disciplina para fazer isto? Disciplina, tempo e paciência para aturar miúdos zangados e contrariados, para controlar o cumprimento dos castigos, para fazer cumprir a dieta saudável e o tempo e leitura ? Cada vez menos. Até porque somos iguais a eles: quanto menos regras, melhor. Indisciplinados somos nós, a indisciplina deles é a consequência.

QOSHE - Pais indisciplinados - Inês Teotónio Pereira
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Pais indisciplinados

2 0
28.10.2023

Rotinas alimentação saudável, telemóveis, horário de estudo, tempo para brincar, horas de chegar a casa, momentos de leitura e limites para a televisão, gestão financeira, roupa desarrumada, comer fora de horas, autorização para fumar ou beber, horas para deitar e para levantar, tarefas pessoais e familiares, transportes e boleias. Gerir filhos é uma competência do âmbito da engenharia e da gestão. Precisamos de esquemas e de equações, de dominar o excel e a contabilidade, é fundamental criar mecanismos de monitorização e de fiscalização, é imperativo traçar objetivos e estratégias, avaliar o desempenho e considerar investimentos. Tudo isto tendo por base uma realidade mutável, dinâmica, imprevisível.

Quem consegue?

Não há engenheiros para isto e os gestores, vocacionados para gerar lucro,........

© Jornal SOL


Get it on Google Play