We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Secretários de Estado a governarem nas tascas sociais

4 3 1
26.10.2021

Secretários de Estado a governarem nas tascas sociais

Que país é este onde até os governantes vão mandar umas bocarras para o Facebook como se estivessem numa tasca cheia de serradura no chão? Alguns secretários de Estado deste Governo já perderam a noção de dignidade?

É certo que aqueles que ligam alguma coisa à política estão mais interessados em saber se o Conselho de Ministros, que deve ter entrado pela noite dentro, conseguiu refazer o Orçamento do Estado para agradar ao PCP ou ao Bloco, por forma a receber o ok de um deles.

Ou se Costa já se fartou das exigências desses partidos e quer ir para eleições antecipadas. Estarão ainda a pensar se o Presidente da República marcará já eleições antecipadas, em caso de chumbo do documento, ou se levará as eleições para a primeira semana de fevereiro, dando tempo ao PSD de se organizar.

E aqueles que gostam da coisa política também estarão a pensar se Rui Rio vai ou não convocar um Conselho Nacional Extraordinário para conseguir adiar em dois meses as diretas de 4 de dezembro, impossibilitando Paulo Rangel de entrar nesta luta das eleições legislativas.

Todos essas questões preenchem o espaço noticioso e outras polémicas ficam como que esquecidas, apesar da gravidade das mesmas. A última, que teve pouco destaque, diz respeito às bocas sociais de um secretário de Estado que não encontrou melhor forma de atacar o DCIAP do que recorrer às redes sociais onde disse da Justiça o que Mourinho não diz dos seus jogadores quando perde.

Mário Belo Morgado, secretário de Estado Adjunto e da Justiça, quando confrontado com os desabafos de AlbanoPinto, que falou na falta de investimento na luta contra a corrupção, não foi de modas e disse que as mesmas estão “em linha com os habituais queixumes de setores sindicais e de responsáveis por estruturas redundantes que consomem muitos recursos e produzem insuficientemente”.

Que........

© Jornal i


Get it on Google Play