Cautelas e Caldos de Galinha

Costuma-se dizer que “Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”. Para qualquer sensato, é óbvio isto. Para o mundo atual, é urgente voltarmos a enteder a lógica disto.

Tornámos a sociedade efémera.

Damos demasiado ênfase permanente a situações que podem, por vários factores, mudar em momentos, horas ou poucos dias.

Com esta garantia de nada, desacreditamos a palavra dita. O compromisso.

Em tudo na vida, o que hoje é certo amanhã pode deixar de ser.

Quem cá está hoje, sabemos, pode não estar amanhã inclusive. E devemos ter cautela nas eternidades que assumimos e nas garantias que defendemos em público.

Devemos preservar a capacidade de moderar o discurso. Ser mais racional e menos emocial acaba por moderar quem nos rodeia. Quer nas expectativas, quer nas atitudes. A classe política parece que descacreditou nisto e preferiu o caminho populista e fácil.

Há vários casos, em variadas áreas, que comprovam que a cautela deve regressar em força às nossas vidas. Desde logo, recordar uma pandemia que demonstrou que tudo muda, mesmo tudo, em semanas. Que do nada é possível o mundo parar e nós termos de adaptar tudo o que era consagrado, assente na sociedade e norma do dia-a-dia moderno.

Mas, menos pesado para a saúde pública, mas cada vez mais duro para a legitimidade democrática e credibilidade das instituições, há várias cautelas que estamos a deixar de ter.

O ataque gratuito à credibilidade das instituições democráticas também surge de dentro. A falta de cautela de vários Governantes portugueses ficou à vista por estes dias e caiu com estrondo durante esta semana.

“A mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”. E claramente, mesmo que caiba à justiça julgar o que levou à demissão de mais um Primeiro-ministro português, o que fica na retina de todos é que ninguém acredita que este caso pareça carregado de honestidade por parte da maioria dos seus intervenientes.

Este caso que levou à demissão de António Costa é mais um prego no caixão da democracia.

Todas as alturas para atacar a democracia são más. Mas face ao descrédito que vivemos sobre a classe política, este novo caso de crise política aparece em má altura.

Apareceu quando mais precisamos de bons exemplos. Quando melhor governantes deveremos atrair para resolver problemas estruturais do país. Quando os portugueses menos esperança têm na classe política.

Uma crise política que prejudica-nos mais do que mero facto de voltarmos a ter eleições antecipadas. Que é bem mais que uma hipotética não aprovação de um Orçamento de Estado e uma gestão em duodécimos. Que é bem mais que os gastos que teremos num novo processo eleitoral. Que é bem mais grave do que a mudança (ou não) de partido maioritário de Governo... Prejudica-nos porque vai dar menos confiança a todos os portugueses nos governantes e nos Governos que tenhamos.

São imensos “casos e casinhos”. Suspeitas. Insinuções de corrupção. Esquemas estranhos. Conversações vindas a público que denotam falta de sentido de Estado.

Em suma: Muita vergonha alheia e muita falta de cautela.

Mas não é só cá, e o pior é que parece uma pandemia de falta de cautelas.

Assistimos à extrema-direita a Governar Itália com discursos, no mínimo, ausentes de moderação democrática.

Assistimos ao Parlamento Europeu a aprovar uma resolução a declarar a Hungria como um "regime híbrido de autocracia eleitoral" e não uma “democracia”.

Assistimos à passividade política (que contrasta com graves protestos civis nas ruas de Madrid) com que Espanha vê serem aceites amnistias a separatistas catalães, um perdão a dirigentes independentistas que é basicamente uma moeda de troca para validar um Governo de coligação liderado pelo PSOE que perdeu as eleições para o PP.

Isto são exemplos claros de falta de cautela.

Falta de noção de que nem a democracia é um dado adquirido.

“Na natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”- terá dito Antoine-Laurent de Lavoisier. Será que estamos a transformar, para pior, a democracia que temos?

Não andamos com cautela nenhuma, cá e por aí fora.

Será que estamos perante uma relação da sociedade com a democracia ao jeito de “o último que feche a porta?”.

Fica a clara certeza de que a democracia está a ser gerida sem cautela pelo respeito que devemos preservar pelas instituições democráticas no presente mas, sobretudo, pela relação de esperança que queremos ter para futuro com a democracia.

Se as cautelas estão escassas, que rapidamente venham os caldos de galinha para os políticos e dirigentes. A digestão democrática de tanta má refeição política seguramente agradecerá.

Tornámos a sociedade efémera.

Damos demasiado ênfase permanente a situações que podem, por vários factores, mudar em momentos, horas ou poucos dias.

Com esta garantia de nada, desacreditamos a palavra dita. O compromisso.

Em tudo na vida, o que hoje é certo amanhã pode deixar de ser.

Quem cá está hoje, sabemos, pode não estar amanhã inclusive. E devemos ter cautela nas eternidades que assumimos e nas garantias que defendemos em público.

Devemos preservar a capacidade de moderar o discurso. Ser mais racional e menos emocial acaba por moderar quem nos rodeia. Quer nas expectativas, quer nas atitudes. A classe política parece que descacreditou nisto e preferiu o caminho populista e fácil.

Há vários casos, em variadas áreas, que comprovam que a cautela deve regressar em força às nossas vidas. Desde logo, recordar uma pandemia que demonstrou que tudo muda, mesmo tudo, em semanas. Que do nada é possível o mundo parar e nós termos de adaptar tudo o que era consagrado, assente na sociedade e norma do dia-a-dia moderno.

Mas, menos pesado para a saúde pública, mas cada vez mais duro para a legitimidade democrática e credibilidade das instituições, há várias cautelas que estamos a deixar de ter.

O ataque gratuito à credibilidade das instituições democráticas também surge de dentro. A falta de cautela de vários Governantes portugueses ficou à vista por estes dias e caiu com estrondo durante esta semana.

“A mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”. E claramente, mesmo que caiba à justiça julgar o que levou à demissão de mais um Primeiro-ministro português, o que fica na retina de todos é que ninguém acredita que este caso pareça carregado de honestidade por parte da maioria dos seus intervenientes.

Este caso que levou à demissão de António Costa é mais um prego no caixão da democracia.

Todas as alturas para atacar a democracia são más. Mas face ao descrédito que vivemos sobre a classe política, este novo caso de crise política aparece em má altura.

Apareceu quando mais precisamos de bons exemplos. Quando melhor governantes deveremos atrair para resolver problemas estruturais do país. Quando os portugueses menos esperança têm na classe política.

Uma crise política que prejudica-nos mais do que mero facto de voltarmos a ter eleições antecipadas. Que é bem mais que uma hipotética não aprovação de um Orçamento de Estado e uma gestão em duodécimos. Que é bem mais que os gastos que teremos num novo processo eleitoral. Que é bem mais grave do que a mudança (ou não) de partido maioritário de Governo... Prejudica-nos porque vai dar menos confiança a todos os portugueses nos governantes e nos Governos que tenhamos.

São imensos “casos e casinhos”. Suspeitas. Insinuções de corrupção. Esquemas estranhos. Conversações vindas a público que denotam falta de sentido de Estado.

Em suma: Muita vergonha alheia e muita falta de cautela.

Mas não é só cá, e o pior é que parece uma pandemia de falta de cautelas.

Assistimos à extrema-direita a Governar Itália com discursos, no mínimo, ausentes de moderação democrática.

Assistimos ao Parlamento Europeu a aprovar uma resolução a declarar a Hungria como um "regime híbrido de autocracia eleitoral" e não uma “democracia”.

Assistimos à passividade política (que contrasta com graves protestos civis nas ruas de Madrid) com que Espanha vê serem aceites amnistias a separatistas catalães, um perdão a dirigentes independentistas que é basicamente uma moeda de troca para validar um Governo de coligação liderado pelo PSOE que perdeu as eleições para o PP.

Isto são exemplos claros de falta de cautela.

Falta de noção de que nem a democracia é um dado adquirido.

“Na natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”- terá dito Antoine-Laurent de Lavoisier. Será que estamos a transformar, para pior, a democracia que temos?

Não andamos com cautela nenhuma, cá e por aí fora.

Será que estamos perante uma relação da sociedade com a democracia ao jeito de “o último que feche a porta?”.

Fica a clara certeza de que a democracia está a ser gerida sem cautela pelo respeito que devemos preservar pelas instituições democráticas no presente mas, sobretudo, pela relação de esperança que queremos ter para futuro com a democracia.

Se as cautelas estão escassas, que rapidamente venham os caldos de galinha para os políticos e dirigentes. A digestão democrática de tanta má refeição política seguramente agradecerá.

Sporting de Braga multado em 8 mil euros por uso de pirotecnia por parte dos adeptos

Artefactos pirotécnicos foram utilizados pelos adeptos na receção do Real Madrid no jogo de 24 de outubro.

Cautelas e Caldos de Galinha

Costuma-se dizer que “Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”. Para qualquer sensato, é óbvio isto.

Os Rolling Stones vão lançar discos até "caírem para o lado"

‘Hackney Diamonds’, lançado a 20 de outubro deste ano, não será o álbum da despedida dos Rolling Stones.

Salário mínimo vai aumentar para 820 euros em 2024

O decreto-lei foi aprovado, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros.

Jack Nicholson não voltará ao cinema

Apesar de nunca se ter declarado reformado, o último filme em que o ator participou foi em 2010. Apesar de já ter tid

Portugal vai contribuir com 10 milhões de euros para ajuda humanitária à Faixa de Gaza

O Governo português fez esse anúncio, no âmbito da Conferência Humanitária para a População Civil de Gaza, promovida

A Garota Não vence prémio de Melhor Trabalho Popular da Sociedade Portuguesa de Autores

A Garota Não, encerra a sua digressão em dezembro, com concertos no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, a 2 de dezem

Universidade da Beira Interior cria canal de denúncia para "condutas impróprias"

"A plataforma constitui-se como mais uma medida implementada pela UBI no sentido de proporcionar um ambiente ético e

Ex-advogada e ex-consultor jurídico de Rosa Grilo condenados a pena de prisão

Tribunal considera que "ambos queriam criar dúvidas na investigação para beneficiar Rosa Grilo".

1

Escutas começam a ser reveladas esta quinta-feira. "Arranjo maneira de chegar ao próprio Costa"

2

Portugal. Da seca no verão, às cheias no inverno

3

Ex-advogada e ex-consultor jurídico de Rosa Grilo condenados a pena de prisão

4

Benfica eliminado da Liga dos Campeões

5

António Costa exonera Vítor Escária

6

Operação Influencer. Encontrados 75.800 euros em dinheiro no gabinete de Vitor Escária

18:54

Sporting de Braga multado em 8 mil euros por uso de pirotecnia por parte dos adeptos

18:39

Cautelas e Caldos de Galinha

18:23

Os Rolling Stones vão lançar discos até "caírem para o lado"

18:07

Salário mínimo vai aumentar para 820 euros em 2024

17:42

Jack Nicholson não voltará ao cinema

17:38

Portugal vai contribuir com 10 milhões de euros para ajuda humanitária à Faixa de Gaza

QOSHE - Cautelas e Caldos de Galinha - Carlos Gouveia Martins
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Cautelas e Caldos de Galinha

2 0
09.11.2023

Cautelas e Caldos de Galinha

Costuma-se dizer que “Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”. Para qualquer sensato, é óbvio isto. Para o mundo atual, é urgente voltarmos a enteder a lógica disto.

Tornámos a sociedade efémera.

Damos demasiado ênfase permanente a situações que podem, por vários factores, mudar em momentos, horas ou poucos dias.

Com esta garantia de nada, desacreditamos a palavra dita. O compromisso.

Em tudo na vida, o que hoje é certo amanhã pode deixar de ser.

Quem cá está hoje, sabemos, pode não estar amanhã inclusive. E devemos ter cautela nas eternidades que assumimos e nas garantias que defendemos em público.

Devemos preservar a capacidade de moderar o discurso. Ser mais racional e menos emocial acaba por moderar quem nos rodeia. Quer nas expectativas, quer nas atitudes. A classe política parece que descacreditou nisto e preferiu o caminho populista e fácil.

Há vários casos, em variadas áreas, que comprovam que a cautela deve regressar em força às nossas vidas. Desde logo, recordar uma pandemia que demonstrou que tudo muda, mesmo tudo, em semanas. Que do nada é possível o mundo parar e nós termos de adaptar tudo o que era consagrado, assente na sociedade e norma do dia-a-dia moderno.

Mas, menos pesado para a saúde pública, mas cada vez mais duro para a legitimidade democrática e credibilidade das instituições, há várias cautelas que estamos a deixar de ter.

O ataque gratuito à credibilidade das instituições democráticas também surge de dentro. A falta de cautela de vários Governantes portugueses ficou à vista por estes dias e caiu com estrondo durante esta semana.

“A mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”. E claramente, mesmo que caiba à justiça julgar o que levou à demissão de mais um Primeiro-ministro português, o que fica na retina de todos é que ninguém acredita que este caso pareça carregado de honestidade por parte da maioria dos seus intervenientes.

Este caso que levou à demissão de António Costa é mais um prego no caixão da democracia.

Todas as alturas para atacar a democracia são más. Mas face ao descrédito que vivemos sobre a classe política, este novo caso de crise política aparece em má altura.

Apareceu quando mais precisamos de bons exemplos. Quando melhor governantes deveremos atrair para resolver problemas estruturais do país. Quando os portugueses menos esperança têm na classe política.

Uma crise política que prejudica-nos mais do que mero facto de voltarmos a ter eleições antecipadas. Que é bem mais que uma hipotética não aprovação de um Orçamento de Estado e uma gestão em duodécimos. Que é bem mais que os gastos que teremos num novo processo eleitoral. Que é bem mais grave do que a mudança (ou não) de partido maioritário de Governo... Prejudica-nos porque vai dar menos confiança a todos os portugueses nos governantes e nos Governos que tenhamos.

São imensos “casos e casinhos”. Suspeitas. Insinuções de corrupção. Esquemas estranhos. Conversações vindas a público que denotam falta de........

© Jornal i


Get it on Google Play