We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Os passageiros da República e as voltas de Montesquieu no tumulo

4 3 1
06.12.2021

Os passageiros da República e as voltas de Montesquieu no tumulo

A nossa história comum democrática está povoada com suficientes episódios de promiscuidade entre a política e a justiça, a justiça e os media ou a política e os negócios para que não sejamos complacentes com visões e opções turvas .

Portugal, sendo uma nação com as fronteiras estabilizadas há mais tempo, parece ter dificuldades em se levar a sério. Não será por isso de estranhar a degradação da confiança e do funcionamento das instituições e a emergência oportunista de fenómenos extremos orientados para a implosão dos equilíbrios do Estado de Direito Democrático.

Somos um país fofinho, até certo ponto, mas não hesitamos, por ação ou por omissão, em transpor linhas vermelhas que abrem precedentes graves para a República, para os seus pilares e para as suas dinâmicas, gerando campo fértil para os populismos mediáticos, políticos e afins que, desconfinados das mesas dos cafés, ganham expressão maior nas redes sociais e na ânsia de sobrevivências pela conquista de públicos.

Acumulação, ainda que transitória, das pastas da Administração Interna e da Justiça, por um membro do governo é a transposição para a organização de uma violação de um princípio basilar da organização do Estado, o da separação de poderes. Montesquieu deve estar às voltas no túmulo.

Como é possível o impulso que terá sido sonhado em 1928 ou no Estado Novo, mas que nunca foi concretizado, apesar de alguns, em democracia, já terem defendido a configuração?

Como é possível termos um Presidente da República que anui a tamanho disparate conceptual de juntar num só poder executivo a tutela das polícias e da justiça?

Como é possível não haver clamor social e político sobre a opção, independentemente da titular em causa, do governo ou do período de vigência da anormalidade?

Alguns dirão, que estamos a falar da organização do governo e não da intrusão do poder executivo na órbita do poder judicial, não havendo, portanto, violação da separação de poderes, será? Outros dirão que temos mais com que nos preocupar, seguindo o desprendimento inicial do poema de Bertolt Brecht “primeiro levaram os negros, mas não me importei com isso, não era negro” e o tardio despertar para as consequências das omissões iniciais “Agora levam-me a mim, mas já é tarde. Como eu não me importei com ninguém. Ninguém se importa comigo.”. Outros ainda que é por pouco tempo como se os princípios estivessem sujeitos a prazo de validade colocados ao nível dos iogurtes do supermercado.

A nossa história comum democrática está povoada com suficientes episódios de promiscuidade entre a política e a justiça, a justiça e os media ou a política e os negócios para que não sejamos complacentes com visões e opções turvas de princípios fundamentais da organização do Estado de Direito Democrático.

O que choca é a ligeireza do exercício político por quem deveria ser garante dos pilares essenciais da organização do Estado e da comunidade de destinos e do simbolismo que é transmitido para as pessoas. É que nem os zelosos guardiões da independência do poder judicial se manifestaram, quiçá por a titular da pasta ministerial ser uma colega originária da corporação em transumância pelas portas giratórias entre a justiça e o poder político. E mesmo quem fala por tudo e por nada em todo o lado, o Presidente da República, nada disse sobre o assunto e empossou a titular à socapa, apesar de ser um dos garantes da Constituição. Marcelo Rebelo de Sousa, que amiúde atravessa as linhas da separação de poderes e entra na órbita do poder executivo, viu na ocasião uma oportunidade para legitimar os impulsos passados, numa espécie de tragédia coletiva de falta de senso.

Chegados a este nível de degradação, é normal que os passageiros das funções do Estado, os passageiros da República, se comportem como a nação tem verificado em benefício dos media de geometria variável, de populismos e oportunismos políticos e de uma falta de senso demasiado generalizada rumo a uma degradação do ambiente político e social.

Os passageiros da República têm de se dar ao respeito, no quadro dos princípios basilares do Estado de........

© Jornal i


Get it on Google Play