O simbolismo do primeiro jogo encerra três pontos. Ponto. Uma entrada em falso, passo atrás, logo no primeiro arranque, após meses em ansiedade pelo regresso, é sempre o indesejado anticlímax que se instala no enlaço inicial e quando surge a desconfiança. Depois da conquista da Supertaça e das boas indicações do jogo de apresentação frente ao Mónaco, era imperioso ganhar num Dragão repleto de boas vibrações e regressos individuais e colectivos. A vitória cresceu para a goleada, com todo o mérito. No jogo 2000 do Presidente mais titulado do mundo, o principal jogo a ganhar não somava para currículo. Fundamental, era ganhar o jogo da jornada 1. Eis a liderança da Liga ao primeiro assomo.

A transformação assusta porque convoca a ideia de que a mudança pode ser para pior, aumentando a probabilidade de insucesso. Mas o F. C. Porto desta época, sem um "box-to-box" assumido até à data, não passeia desgoverno no relvado. A ideia está lá, sempre presente, assumida e reforçada pela pressão, agora com lançamentos da linha lateral, por Uribe e Zaidu, que mais parecem cantos curtos pelo pânico que semeiam na grande área adversária. A dupla Evanilson/Taremi parece maturar para o pleno, sendo que o avançado iraniano inicia a época em estado de graça goleadora. Namaso aproveita a oportunidade que a ausência de Otávio lhe entregou e Pepê adia a explosão de influência que se adivinha, jogando (e bem) em mais um lugar que nunca chamou como sendo seu. Esta época de Sérgio Conceição, a sexta, pode bem ser aquela em que procura ser bicampeão pela primeira vez, formulando - em futebol jogado - a síntese de todas as suas épocas anteriores enquanto treinador do F. C. Porto. É cedo para avaliar, mas os sinais estão lá.

A subir

A pressão instalada e a confiança são bem evidentes. Mesmo com a ausência de Otávio, a equipa mostrou alternativas sólidas e jogadores maduros para as interpretar. Muito dedo de treinador.

A descer

No pós-match, o dia seguinte é simbólico e típico, nunca desilude. Olhar para as capas de alguns jornais e comparar a avaliação às goleadas da jornada, é um exercício de pantomina. Está na História.

o autor escreve segundo a antiga ortografia

*Adepto do F. C. Porto

QOSHE - À procura da síntese - Miguel Guedes
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

À procura da síntese

6 0 0
09.08.2022

O simbolismo do primeiro jogo encerra três pontos. Ponto. Uma entrada em falso, passo atrás, logo no primeiro arranque, após meses em ansiedade pelo regresso, é sempre o indesejado anticlímax que se instala no enlaço inicial e quando surge a desconfiança. Depois da conquista da Supertaça e das boas indicações do jogo de apresentação frente ao Mónaco, era imperioso ganhar num Dragão repleto de boas vibrações e regressos individuais e colectivos. A vitória cresceu para a goleada, com todo o mérito. No jogo 2000 do Presidente mais titulado do mundo, o principal........

© Jornal de Notícias


Get it on Google Play