Quem é que também está sem conseguir dormir há mais de uma semana por causa do calor? Têm sido dias complicados, especialmente porque a maioria de nós está a dormir só de cuecas e eu tenho visto muitos de vocês à janela de mamilo à mostra. Passo os dias a pesquisar dicas e truques na internet para combater o calor numa casa sem ar condicionado e vou partilhar algumas com vocês: fechar os estores durante o dia, colocar toalhas molhadas nas janelas para esfriar o ar que vem de fora e treinar a apneia para conseguir dormir as oito horas debaixo do duche frio. Se no inverno a minha casa tem a temperatura perfeita para conseguir congelar uma cuvete de perninhas de frango, no verão consigo assá-las no chão da sala. Eu já fui ao deserto do Sara e digo-vos: não me custou tanto como ir pôr o lixo à rua ultimamente. Ninguém me tira da ideia que a construção das casas em Portugal apresenta menos qualidade que casinhas feitas por legos por crianças do 1.º Ciclo. Para terem uma ideia, o meu carro é o local com mais qualidade de vida atualmente. Estou até a pensar em submetê-lo no Airbnb como T0 em bairro histórico com ar condicionado e boa capacidade de arrumação. E se esta altura do ano também entusiasmava pelas aventuras próprias da época, agora as temperaturas também vêm estragar todo o conceito de romance de verão, porque ninguém aguenta fazer conchinha numa tenda de corpo e meio.

Para além de ser chato, também é dramático, porque ainda vamos a meio da época dos fogos. Os dados mostram que tanto a área ardida como o número de incêndios são os mais elevados desde 2017. E se até agora os incendiários que víamos na televisão eram os da rubrica de comentário à vida dos famosos nas Manhãs CM, agora são as imagens e relatos desesperantes de quem está nas áreas afetadas. E é sempre assim. Todos os anos. Os incêndios são o anúncio do Ferrero Rocher na altura do Natal. É sempre na mesma altura e consiste sempre na mesma coisa. Dá ideia que é sempre uma inevitabilidade. São as alterações climáticas e as medidas para as combater que não são suficientes, é o despovoamento do interior porque as medidas para inverter a tendência não estão a resultar, é a pastorícia e a agricultura, que contribuem para uma boa gestão e limpeza dos terrenos, mas que estão a perder adeptos. Hoje em dia, vê-se mais cabras a serem utilizadas em aulas de ioga do que a comer silvas em Trás-os-Montes. E é o fatídico desordenamento florestal. O eucalipto representa 26% da nossa floresta e Portugal é o quarto país com maior área de eucaliptos do Mundo. Está bem que a indústria do papel é importante para a nossa economia, mas estamos descontrolados. Nem sei porque é que nas festas, em vez de pinheiros, não metemos um presépio em baixo de um eucalipto. Mas tem de haver uma gestão e fiscalização mais apertada sobre estas plantações. Mesmo que o cidadão comum queira limpar o seu terreno, a verdade é que não há recursos suficientes para fazer todas estas limpezas.

A maioria das causas é a chamada mão humana. Em Aveiro, esta semana, foi apanhado um homem suspeito de atear um incêndio com um isqueiro e que apresentava um "grave quadro de alcoolismo". E isto é um perfil bastante comum de um incendiário. E é incompreensível que alguém ache boa ideia pegar fogo a uma mata, mas mais incompreensível é quando essa pessoa é ela mesma um bidão de combustível.

Também é anual a valorização que fazemos dos nossos bombeiros e guardas-florestais que são, efetivamente, heróis. Especialmente porque arriscam a vida por comunidades inteiras, sem meios operacionais suficientes e sem sequer terem direito a subsídio de risco. Os seus recursos não podem depender de programas de fim de semana de canais generalistas que sorteiam ambulâncias ou de calendários onde se metem de tronco nu para fazer mais uns trocos para as corporações. Até porque assim deixam o povo todo em brasa e depois não há aviões Canadair suficientes. Por isso, enquanto nada se resolve, se tiverem possibilidade, passem no quartel de bombeiros mais próximo e deixem águas, barrinhas energéticas, Biafine, bolachas, refeições enlatadas...

Humorista

QOSHE - Quanto mais quente melhor, o tanas! sai aos domingues - Cátia Domingues
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Quanto mais quente melhor, o tanas! sai aos domingues

4 0 10
17.07.2022

Quem é que também está sem conseguir dormir há mais de uma semana por causa do calor? Têm sido dias complicados, especialmente porque a maioria de nós está a dormir só de cuecas e eu tenho visto muitos de vocês à janela de mamilo à mostra. Passo os dias a pesquisar dicas e truques na internet para combater o calor numa casa sem ar condicionado e vou partilhar algumas com vocês: fechar os estores durante o dia, colocar toalhas molhadas nas janelas para esfriar o ar que vem de fora e treinar a apneia para conseguir dormir as oito horas debaixo do duche frio. Se no inverno a minha casa tem a temperatura perfeita para conseguir congelar uma cuvete de perninhas de frango, no verão consigo assá-las no chão da sala. Eu já fui ao deserto do Sara e digo-vos: não me custou tanto como ir pôr o lixo à rua ultimamente. Ninguém me tira da ideia que a construção das casas em Portugal apresenta menos qualidade que casinhas feitas por legos por crianças do 1.º Ciclo. Para terem uma ideia, o meu carro é o local com mais qualidade de vida........

© Jornal de Notícias


Get it on Google Play