Aguentar a pobreza deve ser mais fácil para quem não conheceu outra vida, como é o nosso caso, portugueses. Durante séculos exportámos gente, expulsa pela miséria, e trabalhámos, comerciámos, saqueámos e vadiámos, à procura de um modo de vida. No século XIX inventámos a tese extraordinária, anteriormente esboçada nas advertências do velho do Restelo, de que as aventuras ultramarinas tinham sido a nossa perda. Encher o país de socalcos, para fabricar solo de cultivo, teria sido certamente mais avisado. Seja como for, foi uma das primeiras e mais bem-sucedidas das nossas narrativas. Quando a realidade é madrasta há sempre uma qualquer narrativa para a qual nos podemos mudar, e nela assentar, consoladoramente, arraiais. As narrativas constituem uma vocação endémica naqueles a quem os ingleses chamam de “chattering classes”, a agremiação privilegiada, progressista ou reacionária que domina o espaço público.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - Os assassinos de planetas - Sérgio Sousa Pinto
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Os assassinos de planetas

4 1 1
28.05.2022

Aguentar a pobreza deve ser mais fácil para quem não conheceu outra vida, como é o nosso caso, portugueses. Durante séculos exportámos gente, expulsa pela miséria, e trabalhámos, comerciámos, saqueámos e vadiámos, à procura de um modo de vida. No século XIX inventámos a tese extraordinária, anteriormente esboçada........

© Expresso


Get it on Google Play