Apesar de tudo, ainda há razões para ter esperança. A falta de professores é perturbadora, claro, mas pode ser contrabalançada em breve pela falta de alunos, o que sempre tranquiliza. Boa parte dos alunos universitários não consegue encontrar casa a um preço acessível. Por outro lado, há queixas incompreensíveis. De acordo com os jornais, um aluno queixa-se de pagar 300 euros por mês para pernoitar numa despensa. Pode dormir sossegado, com vista para dois ou três pacotes de arroz, e ainda se queixa. É improvável que consiga ter acesso a pacotes de arroz de outro modo, tendo em conta o aumento dos preços dos bens essenciais. Oferecem-lhe a oportunidade de contemplar arroz e ele não fica satisfeito. Uma coisa é reclamar o direito a ter condições de alojamento decentes, outra é fazer exigências mirabolantes.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - Ensino tendencialmente incomportável - Ricardo Araújo Pereira
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Ensino tendencialmente incomportável

4 5 1
23.09.2022

Apesar de tudo, ainda há razões para ter esperança. A falta de professores é perturbadora, claro, mas pode ser contrabalançada em breve pela falta de alunos, o que sempre tranquiliza. Boa parte dos alunos universitários não consegue encontrar casa a um preço acessível.........

© Expresso

Get it on Google Play