A literatura intimida, sobretudo a grande literatura. Celebramos este ano o centenário dos expoentes máximos do modernismo anglo-americano, o “Ulisses” de James Joyce e “A Terra Devastada” de T. S. Eliot, e suspeitamos que sejam ainda tão “obscuros” como eram há 100 anos. Mas a verdade é que um século de crítica literária nos ajuda, se quisermos ser ajudados, ajudados por exemplo por Hugh Kenner, crítico canadiano nascido, por curiosidade, não em 22 mas quase, em Janeiro de 23.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - Várias vozes - Pedro Mexia
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Várias vozes

4 0 0
29.05.2022

A literatura intimida, sobretudo a grande literatura. Celebramos este ano o centenário dos expoentes máximos do modernismo anglo-americano, o “Ulisses” de James Joyce e “A Terra Devastada” de T. S. Eliot, e........

© Expresso

Get it on Google Play