Um poeta chamou a este objecto, a ampulheta, “espião do tempo” e “ministro do pensamento”. Ao longo dos anos, sem ter bem noção disso, fui acumulando umas quantas ampulhetas, vulgares ou sofisticadas. Não é uma colecção, mas talvez seja uma obsessão. Tenho dificuldade com noções demasiado abstractas, e a ampulheta, a sua presença numa mesa ou estante, permite que me relacione de alguma maneira com a mais abstracta de todas, o tempo. Um tempo que, neste caso, não é o da natureza, nem o dos relógios, um tempo a meio caminho entre o facto e a ideia.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - Espião do tempo - Pedro Mexia
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Espião do tempo

4 1 1
04.09.2022

Um poeta chamou a este objecto, a ampulheta, “espião do tempo” e “ministro do pensamento”. Ao longo dos anos, sem ter bem noção disso, fui acumulando umas quantas ampulhetas, vulgares ou sofisticadas.........

© Expresso

Get it on Google Play