O aborto apresenta uma profunda questão moral sobre a qual os americanos têm opiniões fortemente conflituantes.” É com esta frase que começa o parecer do juiz-associado do Supremo Tribunal dos EUA, Samuel Alito. Tornado público sem autorização no início do mês, incendiou reações no mundo inteiro. E não é para menos. Além de repetidamente pôr lado a lado aborto e assassínio, o juiz Alito põe em causa o que muitos defendem ser um direito das mulheres — a sua liberdade reprodutiva —, conquistado em 1973 nos EUA e depois expandido para a Europa e para o Mundo. Mas foquemo-nos novamente na primeira frase — o aborto é claramente um daqueles temas que dividem opiniões. De um lado aqueles que, tal como o juiz Alito, se opõem a que as mulheres possam interromper uma gravidez indesejada, mesmo que resultante de uma violação. Defendem que existe vida humana desde a conceção, e que esta nunca poderá ser eliminada. Do outro os que defendem que não se pode obrigar um ser humano a gerar um novo ser e a dar à luz contra a sua vontade. Dificilmente haverá um consenso possível entre estas posições.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - Nada é garantido - Maria Manuel Mota
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Nada é garantido

5 6 0
21.05.2022

O aborto apresenta uma profunda questão moral sobre a qual os americanos têm opiniões fortemente conflituantes.” É com esta frase que começa o parecer do juiz-associado do Supremo Tribunal dos EUA, Samuel Alito. Tornado público sem autorização no início do mês, incendiou reações no mundo inteiro. E não é para menos. Além de repetidamente pôr lado a lado........

© Expresso


Get it on Google Play