A tentativa de António Costa reduzir as críticas ao seu Governo à apologia de um discurso do caos por parte da oposição é como tentar dizer que a culpa de uma equipa jogar mal é dos comentadores desportivos. Nada disto é novo em António Costa, que recorre sempre à bengala da sua autopropagada superioridade moral para se esquivar aos desaires da sua governação. Por exemplo, se as urgências deixaram de responder aos utentes, Costa diz que vai resolver apresentando em breve o que não fez nos últimos seis anos. Se as condições económicas se degradam devido à inflação, garante que existe um pacote que será apresentado em setembro (e que muito provavelmente entrará em vigor só no próximo ano). Se os incêndios voltam a colocar o país em alerta, então promete fazer agora aquilo que prometeu em 2017 e garante que já foi muito bom não termos ardido mais perante tais condições climáticas extremas. Uma sorte!

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - A nação vai bem, para o ano logo se vê - João Vieira Pereira
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

A nação vai bem, para o ano logo se vê

5 2 7
22.07.2022

A tentativa de António Costa reduzir as críticas ao seu Governo à apologia de um discurso do caos por parte da oposição é como tentar dizer que a culpa de uma equipa jogar mal é dos comentadores desportivos. Nada disto é novo em António Costa, que recorre sempre à bengala da sua........

© Expresso


Get it on Google Play