A palavra “funcionário” está uns pontos abaixo da palavra “humano”. Muitos pontos abaixo. Um humano que é um “funcionário” — eis a frase que rebaixa. Um “funcionário” que é um humano — eis a frase que eleva. E há robôs que podem ser funcionários; sabemos bem que as máquinas são cada vez mais as presenças essenciais no mercado de trabalho. Em tempos e, ainda hoje, em alguns países começou a discutir-se a possibilidade de cobrar impostos às máquinas, como se faz aos trabalhadores — para que as empresas não tenham tanto incentivo para empregar chips e algoritmos em vez de humanos com estômago, família e capacidade de protesto. Mas a discussão ficou por aí, pela atmosfera onde as boas palavras se perdem e nada de concreto fica.

Artigo Exclusivo para subscritores

Subscreva já por apenas 1,54€ por semana.

QOSHE - O funcionário e os humanos que dão prejuízo - Gonçalo M. Tavares
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

O funcionário e os humanos que dão prejuízo

13 0
15.03.2024

A palavra “funcionário” está uns pontos abaixo da palavra “humano”. Muitos pontos abaixo. Um humano que é um “funcionário” — eis a frase que rebaixa. Um “funcionário” que é um humano — eis........

© Expresso

Get it on Google Play