Todos os anos o debate sobre o 25 de novembro regressa, com os partidos de direita, sobretudo os mais pequenos e radicalizados, a quererem transformar a data numa coisa que ela nunca foi: uma celebração popular. Como acontece quando se quer recontar a história para ganhar um novo lugar nela, este dia alimenta emoções que há muito estavam serenadas. Para compreender o anacronismo absurdo destas paixões, basta recordar que o PCP apoiou a recandidatura de Ramalho Eanes ou que todos os principais intervenientes no contragolpe de 25 de novembro recusam celebrá-lo. Não por terem vergonha do seu papel, longe disso, mas por saberem melhor do que ninguém o exato lugar que aquela data teve na história do processo de democratização começado no dia 25 de abril.

Já é assinante? Faça login Assine e continue a ler

Comprou o Expresso?

Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

QOSHE - O debate anacrónico do 25 de novembro e a tentativa da direita reescrever a sua identidade histórica - Daniel Oliveira
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

O debate anacrónico do 25 de novembro e a tentativa da direita reescrever a sua identidade histórica

14 15 48
30.11.2022

Todos os anos o debate sobre o 25 de novembro regressa, com os partidos de direita, sobretudo os mais pequenos e radicalizados, a quererem transformar a data numa coisa que ela nunca foi: uma celebração popular. Como acontece quando........

© Expresso

Get it on Google Play