Remeti-me ao silêncio, apelando sempre que os novos dirigentes da Associação Académica de Coimbra.oaf, não tivessem a tentação de dividir para se atingir o objectivo prometido; a subida, na presente época, à 1ª Liga do futebol português!
Poderia tê-lo feito o ano passado, dado que a promessa não tinha nenhuma hipótese de ser cumprida, mas entendi que, por vezes as coisas não correm como desejamos mantendo a esperança de algo se modificar.
Ao que sabemos, pelos dados que nos são facultados, “a coisa” não se vai dar!
Tive oportunidade de conversar com alguns associados ao longo destes anos, tentando perceber o sentimento de todos eles, pelo facto de terem sido apoiantes das duas soluções apresentadas nas últimas eleições.
Na verdade, todos apontaram uma enorme preocupação pela, e quanto à sobrevivência do clube, ainda mais, quando os escalões de formação estão abaixo dos objectivos definidos.
Não existe nenhum clube semelhante ao nosso que consiga sobreviver sem ter uns escalões de formação fortes, a vencer, nos primeiros lugares, para a promoção dos nossos atletas tendentes a ser uma mais valia para a Instituição.
Deste modo conjugam-se vários factores preocupantes no capítulo desportivo, mas também, na questão do relacionamento entre associados, pelo facto de a Assembleia-Geral estar atrasada na sua marcação.
Ora, dividir nunca foi uma boa solução para quem quer sair de uma crise profunda em que nos encontramos.
Unir, que era aquilo que eu desejava e iria promover, seria o princípio fundamental para se atacar uma organização forte e determinada.
Unir, significa juntar. Juntar pensamentos diferentes, estratégias diferenciadas, qualidades e qualificações profissionais, tudo, para se perceber que o contributo de cada um ajuda à resolução de um problema que é de todos e não só de alguns!
Será que chegámos ao “fim da linha” e a solução é retornar ao Clube Académico de Coimbra, que nunca deveríamos ter abandonado, e ceder os direitos desportivos para que o clube não seja “atirado” para os campeonatos distritais?
Nota-se o desânimo nos nossos mais próximos, dos mais velhos e dos mais novos, dos que sofrem e o demonstram e os que engolem as palavras e o sofrimento.
É que, olhamos “para cima” e vemos o Sporting Clube de Braga, o Vitória de Guimarães que além do futebol praticam outras modalidades; clubes como o Rio Ave, o Vizela, o Famalicão, Moreirense, Chaves, Casa Pia, Estrela da Amadora, etc que, não sonhando com o prestígio da nossa Instituição, se elevam!
E olhamos para nós; SDUQ insolvente, AAC.oaf quase insolvente.
Não. Não se culpem terceiros. Os culpados somos nós, os de Coimbra, associados, que não conseguiram ao longo dos anos encontrar uma plataforma de entendimentos.
É necessário conversar mais do que discutir.
Eu sei que conversar é difícil…e em plenário, pior.
Mas há outras formas…

QOSHE - AAC.OAF…ainda “vamos” a tempo… a solução é o CAC? - Luís Santarino Consultor
menu_open
Columnists Actual . Favourites . Archive
We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

AAC.OAF…ainda “vamos” a tempo… a solução é o CAC?

18 0
08.03.2024

Remeti-me ao silêncio, apelando sempre que os novos dirigentes da Associação Académica de Coimbra.oaf, não tivessem a tentação de dividir para se atingir o objectivo prometido; a subida, na presente época, à 1ª Liga do futebol português!
Poderia tê-lo feito o ano passado, dado que a promessa não tinha nenhuma hipótese de ser cumprida, mas entendi que, por vezes as coisas não correm como desejamos mantendo a esperança de algo se modificar.
Ao que sabemos, pelos dados que nos são facultados, “a coisa” não se vai dar!
Tive oportunidade de conversar com alguns associados ao longo destes anos, tentando perceber o sentimento de todos eles, pelo facto de terem sido apoiantes das duas soluções........

© Diário As Beiras


Get it on Google Play