We use cookies to provide some features and experiences in QOSHE

More information  .  Close
Aa Aa Aa
- A +

Tudo como dantes no Quartel de Abrantes – A Política Científica em Portugal

4 2 85
09.11.2018

Em 2013, as unidades de investigação classificadas pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) como Excelentes reuniram-se para fazer uma associação que as representasse junto do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), assim como da FCT – a Associação de Ciência para a Excelência (ACE).

Pretendia a ACE “ter voz ativa na definição das políticas estratégicas, de financiamento e de avaliação, junto das entidades dependentes do ministério que tutela a ciência, assegurando a articulação efetiva com a FCT e promovendo a equidade na composição e na intervenção dos respetivos conselhos científicos”. Uma vez criada, a ACE abrir-se-ia à integração de outros centros, especificamente aos centros avaliados com Muito Bom.

A iniciativa partira de dois investigadores da Universidade do Porto, um, António Fernando Silva, da Faculdade de Ciências e diretor do Centro de Química; o outro, Luís Melo, da Faculdade de Engenharia e diretor do Laboratório de Engenharia de Processos, Ambiente e Energia. Mas a Associação não chegou a concretizar-se. A FCT convocou as unidades de investigação para um novo ciclo de avaliação (2013/2014). E as unidades desarticularam-se, acabando por desmobilizar.

Havia razões ponderosas para que os centros de excelência quisessem fazer-se ouvir, quanto às políticas públicas para a ciência. Os Laboratórios Associados reconhecidos pelo Estado, muitos deles resultantes de fusões entre centros de investigação classificados como excelentes e centros classificados como muito bons, tinham uma estrutura representativa, que se fazia ouvir diretamente, tanto pelo MCTES, como pela FCT. Além disso, eram contemplados com cerca de dois terços do financiamento público para a ciência. E não eram avaliados por painéis de investigadores externos. Em 2013, existiam 26 Laboratórios Associados, tantos quantos os que hoje existem. Na altura, os centros de excelência andariam pelas quatro dezenas. Hoje, são 62 (com a bizarria de neste número estarem incluídas 11 unidades classificadas como........

© PÚBLICO